Logo Central do Franqueado2
  • Facebook Central do Franqueado
  • Copiar Link Central do Franqueado
  • Twitter Central do Franqueado
Central do Franqueado »Gestão de Franquias »Segurança do trabalho: saiba como evitar problemas
Gestão de Franquias

Segurança do trabalho: saiba como evitar problemas

12 min de leituraLeonardo Montoya

É dever do empregador prover medidas que garantam a segurança do trabalho. A saúde de todos é crucial para o bom funcionamento de uma empresa e pode acabar sendo o divisor de águas entre sucesso e fracasso. Neste texto, vamos aprender mais sobre o assunto e seus principais atores. Além de descobrir por que precisamos dar mais importância e atenção para este conceito.

Você vai ver:

O que é segurança do trabalho?

Segundo o dicionário de negócios, a segurança do trabalho é definida por políticas e procedimentos que garantem segurança e saúde para os trabalhadores. Isso envolve controle e a identificação de riscos de acordo com as leis do governo local. Além de treinamentos de segurança e outros procedimentos organizacionais.

Desde 1991, aqui no Brasil, ela é garantida por uma lei: “a empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança da saúde do trabalhador”. Ela ainda define que haverá punição para aqueles que abdicarem deste recurso, constituindo contravenção penal punível com multa.

Com tantas normas para garantir que seja efetuada, pode parecer um incômodo para o empresário gastar seus recursos com isso. Mas não precisa ser assim. Tenha em mente que todas as perdas e processos podem ser evitados com medidas simples.

Investimentos prévios na área impedem gastos futuros vindos de problemas com saúde e acidentes.

Quais os benefícios da segurança do trabalho?

Para muitos, a segurança do trabalho pode já ter um papel claro. Mas além dos serviços óbvios, também são necessários outros funcionários que compõem o time responsável pela saúde dentro desse ambiente.

Imagine estar em um espaço de construção, por exemplo, sem ter a proteção de um engenheiro para definir as áreas de risco. Ou então sem um técnico para se certificar acerca de todas as medidas de precaução necessárias. Com certeza esta obra estará fadada a sofrer algum tipo de acidente.

Em algumas outras áreas, como a empresarial, a necessidade desse tipo de serviço é menos evidente. Em um escritório não há risco iminente à saúde física de um indivíduo.

Entretanto, trabalhar em um local fechado com poucos estímulos pode vir a causar depressão, entre outros problemas psicológicos. Ter um psicólogo disponível, nestes casos, acaba sendo um ponto positivo para a empresa.

Para empresários de todos os tipos, garantir que seus colaboradores estejam contentes e capazes é uma prioridade que se mostrará obrigatória para obter maior efetividade. Além de poder aumentar a produtividade dos funcionários, ainda funciona os fidelizando. Eles ficam felizes e agradecidos pelos cuidados da empresa.

Medidas de proteção ainda podem destacar uma empresa em um país como o Brasil, que possui um dos maiores índices de incidentes profissionais do mundo. Cuidar de todos que estão dentro do espaço empresarial é cuidar da empresa.

Quais são as principais normas que regulamentam a segurança do trabalho?

Agora que você entendeu o que é a segurança do trabalho e quais são os seus principais benefícios, que tal conferir quais são as principais normas que a regulamentam? 

No Brasil, as atividades de segurança do trabalho são regidas pela Portaria nº 3.214 do Ministério do Trabalho, que estabeleceu as Normas Regulamentadoras. Confira a seguir!

  • NR-1: Disposições gerais;
  • NR-2: Inspeção prévia;
  • NR-3: Embargo ou interdição;
  • NR-4: Serviços especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho;
  • NR-5: Comissão Interna de Prevenção de Acidentes: CIPA;
  • NR-6: Equipamento de Proteção Individual: EPI;
  • NR-7: Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional;
  • NR-8: Edificações;
  • NR-9: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais;
  • NR-10: Segurança em instalações e serviços em eletricidade;
  • NR-11: Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais;
  • NR-12: Segurança no trabalho em máquinas e equipamentos;
  • NR-13: Caldeiras, vasos de pressão e tubulações e tanques metálicos de armazenamento;
  • NR-14: Fornos;
  • NR-15: Atividades e operações insalubres;
  • NR-16: Atividades e operações perigosas;
  • NR-17: Ergonomia;
  • NR-18: Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção;
  • NR-19: Explosivos;
  • NR-20: Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis;
  • NR-21: Trabalhos a céu aberto;
  • NR-22: Segurança e saúde ocupacional na mineração;
  • NR-23: Proteção contra incêndios;
  • NR-24: Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho;
  • NR-25: Resíduos industriais;
  • NR-26: Sinalização de segurança;
  • NR-27: Registro profissional do técnico de segurança do trabalho;
  • NR-28: Fiscalização e penalidades;
  • NR-29: Norma regulamentadora de segurança e saúde no trabalho portuário
  • NR-30: Segurança e saúde no trabalho aquaviário;
  • NR-31: Segurança e saúde no trabalho na agricultura, pecuária silvicultura, exploração florestal e aquicultura;
  • NR-32: Segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde;
  • NR-33: Segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados;
  • NR-34: Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção, reparação e desmonte naval;
  • NR-35: Trabalho em altura;
  • NR-36: Segurança e saúde no trabalho em empresas de abate e processamento de carnes e derivados;
  • NR-37: Segurança e saúde em plataformas de petróleo.

Mais detalhes sobre as Normas Regulamentadoras podem ser encontrados no site do Governo Federal. Continue a leitura para descobrir como funciona a segurança do trabalho!

Como funciona a segurança do trabalho?

Para garantir a preservação da saúde de todos, uma série de profissionais são envolvidos. O grupo responsável consiste em especialistas que garantem um conjunto de medidas que previnem lesões físicas e mentais dentro do ambiente empresarial.

Tais condições precisam ter um nexo causal para serem consideradas como sendo “consequências do trabalho”.

As doenças mais comuns são as psicológicas (depressão) e as causadas por repetição, como LER/DORT (Lesão por Esforços Repetitivos/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). Além destas há uma série de condições causadas por excesso de exposição a substâncias encontradas em fábricas, como surdez, catarata, dermatose e câncer de pele.

Alguns problemas podem demorar anos para aparecer, pois são resultados de um dano prolongado. Quando comprovado ser fruto da ocupação, o colaborador pode receber até 40% do valor de seu salário durante o tempo de afastamento definido.

Como podemos perceber a maior parte da prevenção de riscos se dá em forma de treinamentos e capacitações. Um time envolvido e bem preparado estará pronto para dar o seu melhor no dia a dia sem botar em risco o dia seguinte.

Quais as principais causas de acidentes?

Desvendar os motivos que levam a acidentes é uma ótima forma de começar a procurar soluções. Muitos destes problemas são facilmente evitáveis e algumas simples mudanças podem contorná-los.

Existem diversos motivos que levam aos erros. Alguns são muito comuns e outros nem tanto. A verdade é que todos os possíveis erros podem ser englobados em três principais causas. Confira!

Negligência

Falta de treinamento e indiferença com as medidas de precaução são uma das principais causas de acidentes. A negligência pode vir de qualquer participante da equipe de uma empresa.

Entretanto,é importante demarcar que é função do líder capacitar e se certificar que os funcionários estejam conscientes. Um bom técnico não é só aquele que ajuda seu time a fazer o melhor trabalho possível, é também aquele que garante que voltem inteiros para casa para poder trabalhar no dia seguinte.

Infelizmente, muitas vezes estes assuntos são deixados de lado e diversos erros acontecem. Desde o mau uso dos equipamentos até uma simples desatenção que acarreta em um acidente.

Uma situação como essa leva trabalhadores a cometerem atitudes imprudentes pondo a própria vida e a dos próximos em risco.

Todos estes erros podem ser evitados com algumas simples atitudes. Vamos falar mais sobre elas depois, mas são basicamente conversas e treinamentos de capacitação. Ter colaboradores envolvidos e capazes é a solução para evitar qualquer tipo de problema.

Mau uso do EPI

O mau uso do EPI é uma das principais causas de acidente. Este tipo de equipamento não deve estar em más condições e todos os usuários devem ter treinamento para saber como manuseá-lo.

Muitas vezes estes equipamentos são utilizados de forma incorreta. Após o uso ficam avariados, algumas vezes levemente, mas o suficiente.

O usuário então deixa o EPI de lado e termina seu expediente. O próximo que pegar vai receber uma péssima notícia.

A falta de vistoria em equipamentos que foram utilizados de forma incorreta é um dos principais motivos de acidentes. Além da evidente ameaça à integridade da equipe, ainda configura um gasto desnecessário para a empresa.

Esta situação também pode ser resolvida através de informação e capacitação. Os funcionários devem estar treinados quanto ao uso e manutenção do EPI.

Cansaço

Em uma empresa, seja de qualquer porte ou tipo, é comum que as atividades sejam repetitivas. Isso e as horas de trabalho causam cansaço que pode vir a ser um problema sério para a segurança.

Por isso é importante, tanto para o empregador quanto para os trabalhadores que compõem o SESMT, estar atento às férias e aos horários de descanso. Algumas vezes a demanda é muita e é necessário contratar novas pessoas.

Saber o limite da equipe e quando é hora de procurar novas alternativas é uma função básica de gerência e garante o bem estar de todos.

Segurança do trabalho: profissionais do SESMT

Há diversos tipos de especialistas que integram o time responsável pela saúde em um ambiente profissional. Existem médicos, enfermeiros, engenheiros e técnicos que exercem função na área. Cada um com suas particularidades e áreas de atuação.

Estes fazem parte do Serviço Especializado em Engenharia e em Medicina do Trabalho (SESMT). O grupo foi criado após uma crescente nos incidentes pelo Brasil e é estabelecido pela CLT.

Todos precisam ter especializações e atender a alguns pré-requisitos. Estas exigências variam dependendo da profissão, então aqui vai uma breve lista das necessidades:

  • Médico do Trabalho: Deve ter um curso de pós-graduação na área de medicina do trabalho ou ter feito residência médica em alguma área relacionada.
  • Auxiliar de Enfermagem: deve possuir qualificação em enfermagem do trabalho.
  • Técnico em Enfermagem: é requerido especialização em técnico de enfermagem do trabalho.
  • Enfermeiro do Trabalho: nível superior em enfermagem, com pós-graduação especializada.
  • Técnico de segurança do trabalho: é necessário registro no ministério do trabalho e curso técnico na função que irá exercer.
  • Engenheiro de segurança do trabalho: graduação em engenharia e pós-graduação na área.
  • Psicologia do Trabalho: graduação em psicologia e pós-graduação na área.

Estes profissionais serão os responsáveis pelas medidas de controle e manutenção da segurança. Muitas empresas preferem não os contratar diretamente e até terceirizam alguns desses serviços. Cabe ao empreendedor decidir qual a sua preferência.

Dependendo do tamanho da empresa uma quantidade diferente destes será necessária. Os dados específicos devem ser pesquisados na norma regulamentadora que mostra melhor os números e necessidades, mas apenas a regulamentação não é o suficiente. É preciso usar o bom senso e fazer o que é melhor para a sua equipe.

Funções

Os especialistas que compõem o SESMT são responsáveis pela harmonia e preservação do dia a dia da empresa através de diversos métodos:

    • Higiene e Medicina do Trabalho: desenvolvidas através de reuniões, apresentações e conversas com colaboradores.
    • Controle de riscos com máquinas: engenheiros e técnicos aplicam seu conhecimento para prevenir ao máximo qualquer erro e minimizar possíveis acidentes.
    • Monitoramento de equipamentos e instalações: feitos para manter a qualidade e segurança do equipamento.
    • Comunicação e treinamento: Desenvolvimento de palestras, reuniões e orientações para os funcionários de modo a prevenir acidentes e doenças.
    • Primeiros socorros: a partir de conscientização e palestras, auxiliares, técnicos de enfermagem e enfermeiros irão ensinar empregados a se ajudarem em situações de emergência.
    • Relacionamentos interpessoais: psicólogos e técnicos conversam e orientam de forma sigilosa funcionários a resolverem seus conflitos e trabalharem de melhor em conjunto.
    • Administração aplicada à Engenharia de Segurança: engenheiros irão trabalhar juntos para fazer os espaços e equipamentos estarem preparados e serem o mais seguros possíveis.
    • Controle do ambiente: aplicação da engenharia de segurança para que o ambiente funcione de forma prática em situações de perigo.
    • Metodologia e formação de pesquisas relacionadas: função de toda a equipe para que novas informações sejam obtidas para desenvolver métodos mais eficientes e modernos.
    • Proteção do meio ambiente: toda a equipe irá ajudar na proteção do meio ambiente, através de metas como coletas de lixo e manutenção de resíduos.
    • Ergonomia e Iluminação: também são função do engenheiro e estão juntos no controle de ambiente e administração do espaço.
    • Proteção contra Incêndios e Explosões: médicos e enfermeiros irão propiciar treinamentos para seus funcionários, enquanto engenheiros devem planejar o espaço para que este funcione de forma correta em casos emergenciais.
    • Gerenciamento de Riscos: é encontrado na forma de prevenção e está diretamente relacionado aos treinamentos de pessoal e manutenção do espaço e das ferramentas de trabalho.
    • Planejamento de novas instalações: Quando solicitados, engenheiros e médicos irão auxiliar na formação de novas unidades da empresa, tornando-as mais seguras e eficientes em caso de incêndios e outras situações emergenciais.

Os responsáveis utilizam diversos métodos e técnicas para cumprir sua função. Algumas dessas medidas são fixas e fazem parte de um plano de ação permanente da empresa, outras são pontuais.

Alguns exemplos de fixação são atitudes como reciclagem e vistoria de equipamentos. Pontuais podem ir até onde a imaginação levar, desde campanhas do agasalho até doações de sangue.

E aí, ficou alguma dúvida? A Central do Franqueado está sempre produzindo conteúdo para informar e facilitar a sua vida. Se você gostou, dá mais uma olhadinha no nosso site que lá tem mais. Até a próxima!

Author Avatar
Leonardo Montoya

Redator em Central do Franqueado