Logo Central do Franqueado2
  • Facebook Central do Franqueado
  • Copiar Link Central do Franqueado
  • Twitter Central do Franqueado
Central do Franqueado »Gestão de Franquias »11 dicas para montar uma vitrine de loja em sua rede de franquias
Gestão de Franquias

11 dicas para montar uma vitrine de loja em sua rede de franquias

11 min de leituraAndrei Arndt

A vitrine de loja é fundamental para atrair clientes. Segundo o SEBRAE, a vitrine é um dos principais espaços de uma loja e “responsável por mais de 80% das vendas por impacto visual”. 

Ela reflete a identidade da marca e tem como objetivo chamar e convencer clientes para consumirem seus produtos. Você sente que poderia utilizar melhor esse espaço? Então, confira as 11 dicas para montar vitrines que a Central do Franqueado preparou para você!

Você vai ver: 

O que é uma vitrine e qual a sua origem?

Uma vitrine é um espaço envidraçado de uma loja. Atrás do vidro, são dispostos os produtos para chamar a atenção e atrair clientes. Dessa forma, os pedestres que passam em frente a vitrine ficarão interessados em comprar o que está sendo mostrado. Nesse sentido, a vitrine costuma ser a primeira impressão que o público tem dos produtos vendidos pela marca. Uma vitrine, no entanto, não serve somente para vender os produtos. 

Um exemplo são as vitrines que dispõem de um grande espaço para dispor os produtos, mas a loja opta por expor apenas um único produto. Você deve estar pensando: como vender os produtos se eles nem estão dispostos na vitrine? Ou então: por que não aproveitar todo o espaço disponível? 

A verdade é que em alguns casos as vitrines comunicam conceitos e a identidade da loja. Além disso, aproveitar o espaço para expor a maior quantidade de produtos possíveis não é recomendado. Um fato interessante é que as vitrines têm sua origem na Mesopotâmia e no Egito. 

No entanto, foi a partir dos vendedores árabes que as vitrines passaram a ter mais importância no comércio. Eles se preocupavam com como os produtos disponíveis à venda eram vistos pelos clientes. Há quem diga que o berço do vitrinismo, a prática de selecionar e pensar os elementos em uma vitrine, é europeu. Afinal, marcas de moda centenárias como a Hermes, Lanvin e Chanel faziam uso das vitrines para dispor roupas e acessórios de moda. 

Qual a importância de uma boa vitrine de loja?

A vitrine é a janela da sua loja. Também, é a ferramenta que irá chamar todos aqueles consumidores que ainda não sabem que precisam do seu produto e melhorar a fachada da do estabelecimento. As vitrines de loja estão relacionadas à área de estudo conhecida como vitrinismo. 

Muitas pessoas confundem visual merchandising e vitrinismo, mas são áreas diferentes. Enquanto o visual merchandising se preocupa com o interior da loja, o vitrinista se concentra em atrair os consumidores por meio da vitrine. Afinal, ela é o primeiro ponto de contato do cliente com a marca.

Para quem passa, ela mostra a identidade da sua marca e o que a diferencia entre tantas outras. Por isso, muitas vezes chega a ser mais importante que os outros setores de vendas. “A primeira impressão é a que fica”, já ouviu esse ditado? Como muitos ditos populares, ele também possui um fundo de verdade. Sempre lembramos da primeira vez que encontramos nosso amor ou nosso cachorro e não é diferente com espaços comerciais.

Mesmo que não possamos lembrar exatamente do momento ou do que estava no mostruário, permanece uma sensação que a experiência nos traz. As lojas da iPlace são um ótimo exemplo deste conceito de vivência que muitas empresas procuram hoje em dia. Nós somos expostos a conteúdos visuais chamativos e interessantes no nosso dia a dia por meio da internet, televisão e campanhas de marketing, que nossas expectativas estão cada vez mais altas. O consumidor está mais inteligente e exigente.

Produzir o melhor design possível está se tornando uma necessidade e não apenas um diferencial. Um ambiente que possua uma boa iluminação, uma frente chamativa e conceitual, um atendente simpático, já está um passo à frente de seus concorrentes na hora da compra. O objetivo é que o cliente entre e fique à vontade, que ele sinta que o espaço é mais do que apenas qualquer loja.

Se você está pensando “me ferrei, não sou nada criativo”, fique tranquilo. Vamos te apresentar todas as dicas necessárias para superar qualquer expectativa. Por isso, leia com atenção! Quando usada de forma correta, a vitrine pode ser a melhor arma do seu arsenal. Por isso, também é importante que ela tenha uma boa localização.

Tipos de vitrines de loja

Há mais de um tipo de vitrine de loja. Antes de entrarmos em outros temas é bom listarmos os três para que você já possa integrá-los nas suas ideias.

  1. Vitrine frontal: ficam em frente ao espaço e chamam quem passa para entrar. São as mais comuns e talvez as mais importantes. 
  2. Vitrines de trânsito: localizadas no interior da loja, tem como objetivo guiar os consumidores e expor produtos.
  3. Vitrines centrais: também são internas e expõem muitas vezes um grande número de produtos.

11 dicas para criar sua vitrine de loja

Agora que você aprendeu sobre os tipos de vitrine de loja e qual a sua importância, confira a seguir 11 dicas para transformar as vitrines do seu empreendimento. Alguns itens podem parecer óbvios, mas não se engane. Leve todos a sério e garanta que logo sua loja irá receber mais compradores. Vamos lá!

1. Conheça seu cliente

Estamos falando aqui de ir além do básico. Claro que saber a idade e a faixa de renda de seus consumidores é importante, mas vamos ir mais a fundo. O que eles gostam de ouvir? O que fazem no tempo livre? Como você pode melhorar a experiência com o cliente?

Vamos supor que você trabalhe com a venda de móveis antigos para um público-alvo de classe média e de meia idade. Quem sabe você não poderia agregar outro produto, protetores de móveis, porta-copos ou braçadeiras de sofá, por exemplo, para complementar a experiência de compra deste produto? Qualquer atitude positiva é válida. Conhecer seu cliente vai além do funcionamento estético. É um princípio chave para os negócios.

2. Mostre sua segunda melhor carta

Esta é uma ótima estratégia para surpreender quando alguém entrar em sua loja por causa da vitrine. Guarde uma surpresa para depois dela. Com certeza o mostruário será o seu chamariz e é importante preenchê-lo com elementos que elevem a marca e atraiam clientes. Mas, também é interessante ter algo para mostrar mais além.

Não gaste todos seus melhores produtos na vitrine. Guarde aquele que considera o seu segundo melhor. Quando o consumidor entrar, você terá que terminar de fidelizá-lo. Se você já tinha a atenção dele antes, então agora tem o interesse. Se você acompanha os conteúdos do site da Central do Franqueado, provavelmente leu anteriormente sobre storytelling. A vitrine é parte da história da marca e, por isso, pode ser usada como ferramenta narrativa.

3. Aproveite seu espaço vertical

Quem procura um pouco sobre o assunto na internet, logo escuta falar sobre o aproveitamento vertical. Isso porque ele realmente é importante.

Poucos terão à sua disposição um grande comprimento horizontal para expor, então é bom saber aproveitar o que se tem. Além disso, um bom uso do espaço vertical traz uma sensação de grandeza e plenitude.

4. Outros elementos visuais

Existem ainda outros componentes que podemos pensar para compor nosso cenário ideal:

  • Luz: é um elemento chave para sua exposição. Além de ser um recurso simples e barato, uma iluminação bem posicionada pode ser ideal para chamar e prender a atenção de quem passa.
  • Simplicidade: menos é mais. Aposte em elementos visuais certeiros e não polua mais do que necessário. Uma vitrine com dezenas de produtos amontoados e mal posicionados causa uma má impressão.
  • Cor: cores trazem diferentes sentimentos e sensações. Existe uma área da psicologia que trabalha com isso. Mesmo sem sabermos, elas nos afetam.
  • Ponto focal: pense em um ponto principal de foco na sua vitrine. Aposte nele e construa um cenário.
  • Equilíbrio: procure atingir um equilíbrio entre elementos.

Vale lembrar um detalhe importante sobre as vitrines de loja: nunca coloque os produtos no chão. Por mais que o contato com o chão faça parte da utilidade do produto que você está vendendo, por exemplo, um banco ou um par de sapatos, colocá-los no chão desvaloriza o produto. Por isso, a recomendação é usar uma plataforma sob o produto. 

5. Seja autêntico

É sempre importante estar atento às tendências do mercado e o que seus concorrentes estão fazendo. Entretanto, tente não esquecer de quem você é e de quais eram os seus objetivos para a empresa.

Manter uma identidade é crucial para saber quais são seus parceiros, seu público e para adquirir reconhecimento. Fique atento à forma como os clientes reagem às suas mudanças. Se adapte, mas não esqueça de onde começou.

6. Jogue com o PARC

PARC é uma sigla em inglês utilizada no design que agrupa quatro simples conceitos. Você não precisa ser fera na área para entender um pouco sobre o assunto. Vamos facilitar o máximo possível.

  • Proximidade: criar elementos coerentes que estejam próximos de semelhantes. Agrupe vestidos, por exemplo, em um lado do expositor e calções de outro.
  • Alinhamento: veja seu espaço como se estivesse na planta e imagine onde seria melhor posicionar seus produtos. Alinhamento é fazer seus produtos estarem em locais que tragam sentido a ele.
  • Repetição: se você usa uma certa cor, forma ou conteúdo, pense onde pode repetir. Repetir um elemento em locais diferentes da loja traz uma sensação de plenitude e agrega à marca.
  • Contraste: pense em unir objetos grandes e pequenos, escuros e claros ou compridos e curtos. Contrastar é uma ótima forma de prender a atenção e valorizar uma vitrine.

7. Cuidado com o exagero 

Exagerar na disposição de produtos na vitrine é torná-la muito chamativa e visualmente desorganizada. Por exemplo, vamos supor que você queira divulgar uma nova escrivaninha da sua rede de franquia que comercializa mobílias. Ao montar a vitrine, a escrivaninha, último lançamento da marca, está exposta ao lado de cadeiras, poltronas e até mesmo outras mesas de cabeceira. 

Na visão do cliente, com certeza a vitrine ficará poluída e o olhar ficará solto, pulando de um produto para o outro. Dessa forma, você não vai chamar a atenção do cliente. Também, as vitrines muito poluídas e que apresentam muitos produtos costumam passar uma ideia de que a loja é desorganizada. Portanto, não sobrecarregue o ambiente. Lembre-se: menos é mais!

8. Lembre das suas necessidades

Considere qual o tipo de negócio que você possui. Se sua empresa for uma cafeteria, por exemplo, seu negócio é muito maior que vender café. É necessário vender um conceito. Talvez seja interessante não pôr nada na vitrine e deixar as pessoas de fora olharem para dentro do ambiente. 

Por outro lado, se você possui uma loja de conveniências, talvez seja interessante fazer o oposto. Expor seus produtos pode ser mais proveitoso que mostrar o espaço.

9. Trabalhe com o que você tem

O que você poderá fazer com sua vitrine sempre será limitado por seu espaço e recursos. Por isso, é preciso aceitar e fazer o seu melhor. Quanto antes você entender este item, melhor para o seu negócio.

Utilize a verticalização, a iluminação e outros elementos que citamos para driblar problemas de espaço. Se não encontrar nenhuma ideia, pergunte para amigos e família. Utilize o que está à disposição e não tenha vergonha nem medo de errar.

10. Pense em um cronograma

Imagine passar todos os dias em frente a uma vitrine, durante um mês, e ela apresentar sempre os mesmos produtos? A princípio não parece um grande problema, mas os pedestres certamente vão notar que não há uma atualização da vitrine. 

Por isso, é importante pensar em um cronograma de trocas para a vitrine. Uma recomendação é fazer as trocas a cada 15 dias. Dessa forma, a maioria das pessoas que circulam pelo local tem tempo suficiente para ver a vitrine. Se você conseguir atrair a atenção do público, certamente as pessoas vão pensar em passar em frente a loja somente para dar uma olhadinha na vitrine.

11. Não tenha medo de errar

Depois de tantas informações é normal que você se sinta um pouco perdido. Realmente, são muitas informações e detalhes para absorver, mas continue tentando que logo tudo vai parecer bem mais natural. Pense no que você quer para sua loja. Amadureça a ideia e ponha a mão na massa. 

Talvez na primeira tentativa não fique igual ao que você queria, mas logo a situação melhora. Para ajudar, construa um cenário baseado em um tema. Se inspire nas estações e em novas modas. Planeje tudo, mas não fique com medo de errar. Antes fazer alguma coisa do que deixar para depois.

Gostou do conteúdo? Continue navegando em nosso site para acompanhar todas as novidades do universo do franchising!

Author Avatar
Andrei Arndt

Redator em Central do Franqueado