Logo Central do Franqueado2
  • Facebook Central do Franqueado
  • Copiar Link Central do Franqueado
  • Twitter Central do Franqueado
Central do Franqueado »Franchising »Quais são as principais tendências para o mercado de Food Service em 2022 e como se preparar
Franchising

Quais são as principais tendências para o mercado de Food Service em 2022 e como se preparar

11 min de leituraFilipe Pacheco

Desde o início da pandemia em março de 2020, os hábitos de consumo dos brasileiros se transformaram. O delivery, as dark kitchens e as preocupações com as medidas de proteção ao coronavírus são parte da realidade dos consumidores. 

Para você acompanhar e compreender melhor as tendências no franchising, preparamos este artigo com as principais tendências para o mercado de franquias em 2022. Boa leitura!

Neste artigo você vai ver:

Como está o mercado de Food Service e quais as expectativas para 2022?

Apesar de ter sido drasticamente afetado pelo impacto da pandemia, o mercado de Food Service está em crescente recuperação. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), o setor de Food Service deve fechar o ano de 2021 com 27% da participação nas vendas totais da indústria de alimentos, o que é equivalente a R$ 173,3 bilhões. Os números apontam um crescimento de 3,1% em relação ao ano anterior. 

No futuro pós-pandemia, embora a crise econômica tenha afetado drasticamente o setor, a perspectiva é que o Food Service se recupere totalmente no ano de 2022. Porém, ainda em novembro de 2021, os mercados globais fecharam em queda com relação às incertezas sobre a nova cepa do coronavírus: a variante Ômicron. 

Portanto, a pandemia ainda deve ser considerada uma preocupação para os empreendedores, principalmente no mercado de franquias, que, em sua maioria, trabalham com o atendimento aos clientes nas unidades franqueadas.

Vale lembrar também hábitos de consumo relacionados à nova geração de consumidores: a Geração Z. Por exemplo, preocupações com a sustentabilidade e a responsabilidade social e a conectividade são importantes para este público. 

É inegável que os hábitos de consumo têm mudado amplamente nos últimos 2 anos. Os sucessores dos millenials, caracterizados pela conectividade ampla, conscientização e posicionamento forte, vêm obrigando a oferta de produtos a se adaptarem a seus ideais. Confira nosso conteúdo e saiba quais são as principais tendências para o Food Service em 2021.

Confira abaixo quais as principais tendências para o Food Service e o que deve guiar esse mercado a partir de 2021.

1. Delivery

Quando a pandemia começou, em março de 2020, os serviços de delivery de alimentos experienciaram um aumento exponencial. Afinal, por grande parte da quarentena, implementada como medida para prevenir a disseminação do vírus, diversas lojas físicas e restaurantes foram obrigados a fechar, resultando no delivery como principal canal de venda. A pesquisa aponta que 73% das franquias de alimentação consultadas adotaram o delivery no ano de 2020.

Dentro desta tendência, é interessante destacar que muitas redes têm apostado no delivery próprio ao invés de terceiros. Entre os serviços de entrega, o delivery próprio representa 32% do oferecido, perdendo somente para as entregas por meio do Ifood, que representam 62% do serviço. Até mesmo franquias de bolos aderem ao delivery!

Apesar das medidas de flexibilização implementadas com o início dos calendários de vacinação, o movimento de alta ainda é uma realidade em 2021. Dados fornecidos pelo Uber Eats, por exemplo, apontam um aumento de 75% no faturamento anual, no segundo trimestre de 2021 em relação ao ano anterior.

Apesar da retomada das atividades presenciais, o delivery veio para ficar. A pandemia causou mudanças irreversíveis na rotina dos consumidores. Um exemplo são as jornadas de trabalho em home-office. No futuro pós-pandemia, a tendência é que as empresas mantenham a modalidade de trabalho híbrida, exigindo a presença do colaborador somente em alguns dias do mês.

Nesse sentido, é fácil entender porque o delivery continua sendo uma tendência para 2022. Ele se encaixa perfeitamente nesta rotina, oferecendo praticidade e comodidade para quem trabalha em casa.

2. Take Away e Drive-thru

O drive-thru não é um formato novo em franquias de alimentação. As grandes redes de fast food já utilizam este formato há muito tempo. Porém, com restaurantes fechados e os consumidores evitando lugares fechados e aglomerações, a busca pelo drive-thru aumentou ainda mais.

Apesar do consumo nos estabelecimentos ter sido flexibilizado, o take away e o drive-thru são tendências que vieram para ficar. 

Em 2020, o drive-thru foi adotado por 23% das redes de franquia. Também o take away foi adotado por aproximadamente 50% das franquias, o que reforça a importância dessas tendências mesmo um ano depois. 

Mas você sabe a diferença entre o take away e o drive-thru? Apesar de semelhantes, o take away é um formato em que os restaurantes oferecem os seus produtos para serem consumidos em outro local que não o próprio restaurante

Normalmente os pedidos são feitos por meio de aplicativos da própria rede ou delivery, com o consumidor apenas buscando o pedido. Este formato foi adotado amplamente, como vimos, e pode até ser uma opção para abrir um novo negócio na área oferecendo essas opções.

Um fator importante para o funcionamento correto destes modelos é o desenvolvimento omnichannel. O que isso quer dizer? Omnichannel é a integração de todos os canais que a rede está presente, e para que funcione corretamente o drive-thru, take away e o próprio delivery, é preciso que a rede desenvolva estratégias omnichannel.

Isso significa integrar a comunicação dos aplicativos com as lojas físicas, tanto em pagamento, quanto em registro de pedidos e etc. É preciso oferecer a melhor experiência ao cliente, pois não adianta somente ofertar diferentes formatos de consumo se eles causam confusão e atrapalham ao invés de ajudar o cliente. 

3. Dark Kitchen: um novo modelo de negócio

Uma tendência que tem chamado cada vez mais a atenção de empreendedores e franqueadores como modelo de negócio é o Dark Kitchen. Este modelo consiste em não possuir um ponto de venda com loja física, com espaço para consumo no local. O formato se limita apenas a uma cozinha, onde os produtos ofertados pela rede são produzidos e a única forma de consumir é por meio do take away ou delivery.

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) revelou na Pesquisa de Desempenho do setor no segundo trimestre de 2021 que o formato de Dark Kitchen está sendo adotado por 57,4% das franquias. Dentro destas franquias, 21,3% já estão atuando com Dark Kitchens e outras 11,5% estão em fase de implementação. 

O modelo é atrativo pois gera menos gastos para a franquia, afinal, o espaço de aluguel é menor, o número de funcionários é reduzido e a gestão se torna mais fácil. Além disso, uma tendência realizada por empreendimentos neste formato é de compartilhar estes espaços entre diferentes marcas. Isso torna os custos ainda mais baixos e gera uma boa troca de experiências entre as marcas.

Sendo assim, este modelo pode ser uma boa aposta para franqueadores formatarem como franquia. Pois, o modelo é atrativo para empreendedores. Principalmente se for um alguém com alguma experiência com mercado de alimentação, pois sua gestão vai se resumir a gerenciar poucos funcionários e seu sistema de entrega, que seguirá o padrão da franqueadora. É um modelo que tende a crescer ainda mais em 2022.

4. Cuidados sanitários e proteção à saúde

Segundo uma pesquisa do Instituto Qualibest, 82% dos consumidores buscam espaços abertos e bem ventilados para o consumo de alimentos. Por isso, salões com grandes janelas, estabelecimentos com mesas em varandas ou em calçadas são tendências para 2022. 

Também, a pesquisa indica que 35% veem a higiene e a segurança como um dos critérios determinantes para a escolha de estabelecimentos. Apesar do fim das restrições ao comércio na maioria das cidades, os consumidores ainda consideram estes cuidados muito importantes. 

O uso obrigatório de máscaras pelos colaboradores, a disponibilização de álcool gel para os consumidores e a higienização das áreas de consumo, mesas, cadeiras e balcões, por exemplo, continuam sendo fundamentais para transmitir segurança e preocupação aos clientes. Nada melhor do que demonstrar que você se importa em manter seus clientes fidelizados e satisfeitos com os serviços prestados, não é mesmo? 

5. Sustentabilidade

A conscientização do consumo nocivo ao meio ambiente é algo constantemente presente nestes dois últimos anos. Segundo uma pesquisa sobre hábitos de consumo feito pela consultoria Nielsen, 42% dos participantes alegaram estar modificando seus hábitos para diminuir o impacto no meio ambiente.

A redução no consumo de alimentos com origem animal e de materiais não degradáveis, como o plástico, devem guiar o surgimento de novos produtos. Desse modo, entende-se que a oferta de produtos veganos, como hambúrgueres à base de vegetais, por exemplo, devem continuar crescendo. 

A substituição de embalagens plásticas por materiais biodegradáveis também tende a tomar conta da política de restaurantes e fast-foods. Em Porto Alegre, a proibição a canudos plásticos está valendo desde fevereiro de 2020. Nesse sentido é importante que os franqueadores fiquem atentos para acompanhar essas tendências.

A Pesquisa Global vida Saudável e Sustentável 2021 apontou que 86% dos brasileiros disseram que querem reduzir seu impacto individual sobre o meio ambiente e a natureza. Portanto, em 2022, as redes de franquia que se comunicarem melhor com este público certamente vão atrair mais clientes.

6. Automatização do atendimento

Não é novidade que tecnologias como inteligência artificial, big data e IoT (Internet of Things) tenham chegado ao mercado de alimentação e do franchising. Você já foi a uma unidade do McDonald’s e realizou o seu pedido através de uma central de atendimento? É exatamente isso que caracteriza o autoatendimento.

Já é realidade em redes de maior porte este tipo de sistema para o atendimento. Isto tende a se tornar mais comum em diferentes serviços, e principalmente no de alimentação. Este tipo de tecnologia facilita a realização de compras do cliente e diminui o tamanho de filas, que tanto incomodam os consumidores.

No conceito de Internet das Coisas, já há restaurantes realizando testes com embalagens que coletam dados dos consumidores. Com esses dados, o local pode reabastecer o consumidor quando o produto acaba.

Além disso, o insight feito pela Nielsen, conforme já citado, alegou que 64% dos participantes têm um smartphone. No segmento de alimentação, houve 82% de aumento no e-commerce brasileiro. Isso confirma ainda mais a tendência da conectividade e automação na hora de consumir.

Também, no drive thru do McDonald’s nos EUA, a rede de franquias está usando inteligência artificial para automatizar os pedidos. Apesar de não existir previsão para implementação deste sistema no Brasil, a preocupação com a inovação digital é uma realidade e deve ser considerada. 

7. Vida saudável

Em um ambiente em que o estilo de vida fitness tem sido cada vez mais popular, a busca por uma alimentação saudável também tem crescido. Segundo a mesma pesquisa da Nielsen, 57% dos participantes reduziram o consumo de gordura e 56% a ingestão de sal.

Portanto, têm havido um grande aumento na oferta de alimentos orgânicos e com baixo teor calórico nos cardápios do Food Service. Quanto mais opções saudáveis tiver o restaurante, maior será a probabilidade de atrair clientes.

A preocupação com a saúde cresce também devido à pandemia de coronavírus. Apesar da vacinação ser a única prevenção contra o covid-19, a alimentação saudável vai aumentar a resposta imunológica e prevenir outras condições como gripes e resfriados, por isso ela é importante e cada vez mais os consumidores buscam se manter saudáveis.

8. Novos sabores

A geração Z se caracteriza por sua fluidez e desejo por novas experiências. É nesta linha que a oferta de alimentos típicos regionais tem feito sucesso e tende a aumentar.

É possível enxergar essa procura no sucesso que os restaurantes de comida japonesa têm feito. Segundo uma pesquisa da empresa Ticket, a crise econômica reduziu a procura por este tipo de alimentação. Porém, a tendência é que no ano que vem a culinária japonesa volte ao topo da lista de  alimentos mais procurados pelos brasileiros.

No entanto, não é apenas a comida japonesa que deve continuar crescendo. Aposta-se que a busca por comidas típicas de regiões de dentro do próprio país irá crescer. Com isso, o mercado de Food Service tende a obter um número cada vez maior de restaurantes e delivery que oferecem novas experiências ao consumidor.

Diante disso, trazemos aos interessados no Food Service, as principais tendências que se destacam para o setor em 2022. Se você gostou do conteúdo, compartilhe com sua rede e ajude mais pessoas a se prepararem para este ano tão importante para o setor.

Confira também as melhores franquias de alimentação do mercado e não perca a oportunidade de entrar no food service investindo em um negócio de sucesso.

Author Avatar
Filipe Pacheco

Redator em Central do Franqueado