Logo Central do Franqueado2
  • Facebook Central do Franqueado
  • Copiar Link Central do Franqueado
  • Twitter Central do Franqueado
Central do Franqueado »Expansão »Expandir um negócio com o franchising: como o modelo de franquia pode ajudar sua empresa a crescer
Expansão

Expandir um negócio com o franchising: como o modelo de franquia pode ajudar sua empresa a crescer

18 min de leituraDario Ruschel

É natural que uma empresa, na figura do empreendedor, estude e considere alternativas para garantir um rápido crescimento no mercado. Afinal, não é surpresa para ninguém que o objetivo de um negócio deve ser crescer de forma rápida e sustentável.

Nesse sentido, o franchising sempre surge como uma das principais opções na hora de expandir um negócio. O modelo, fundamental para marcas de sucesso como McDonald’s, Subway e O Boticário, se tornou um dos principais modelos de expansão das últimas décadas, em grande parte por permitir um crescimento exponencial de uma marca e sua inserção nos mais diversos públicos e localidades.

Para ajudá-lo a conhecer mais dessa oportunidade, a Central do Franqueado preparou um guia completo sobre o assunto. Neste artigo você vai conhecer mais sobre o modelo de franquias e, é claro, descobrir por que expandir um negócio por meio do franchising pode ser a melhor alternativa para obter o sucesso no mercado atual.

Confira o que vamos abordar:

O que é o franchising?

Mesmo que você já tenha alguma noção sobre o que é o franchising, sempre é válido reforçar como o modelo de franquias se diferencia e se sobressai em relação a outras formas de empreender. De forma simples, o franchising é um modelo de negócio baseado na concessão do direito de uso fornecida pelo proprietário de uma marca (o franqueador) a um investidor (o franqueado). 

Dessa forma, a parceria proporciona a replicação da marca e seus produtos em diferentes locais, estabelecendo um formato reconhecido e bem-sucedido de exploração de mercado. Como grandes exemplos, podemos citar redes de franquias que você com certeza já se deparou em alguma cidade ou shopping center, como Maria Açaí ou Balanceado.

O franchising funciona à base de uma relação de interdependência entre a marca e o investidor. As unidades da rede são gerenciadas pelos franqueados, que representam a parte que investe e trabalha efetivamente em cada uma das lojas. Em decorrência do uso da imagem da marca e da utilização do know-how do negócio, é comum a cobrança de taxas por parte da rede. 

A rede franqueadora, por sua vez, é responsável por fornecer suporte aos franqueados. As informações transmitidas estão relacionadas aos mais diversos âmbitos do negócio e abrangem desde as tarefas operacionais relacionadas à produção, podendo ir até as questões relacionadas à gestão administrativa, contábil e financeira.

Com suas origens ligadas aos Estados Unidos ainda no século XIX, o franchising — mesmo com crises econômicas e sanitárias ao longo da história — continua crescendo no Brasil e em todo mundo, comprovando o sistema como um modelo de negócio seguro e flexível. De acordo com dados de 2022 da ABF (Associação Brasileira de Franchising), o mercado de franquias já recuperou o faturamento do período pré-pandemia e deve atingir um faturamento anual de R$ 200 bilhões nos próximos anos.

Quais as vantagens de expandir um negócio com o Franchising?

Como vimos, expandir um negócio no franchising pode ser um caminho promissor. E o melhor de tudo: o mercado de franquias abre espaço para todo o tipo de empreendedor, produto e serviço. As franquias abrangem diversos segmentos de mercado e têm como principal característica a rápida expansão.

Todavia, não pense que basta formatar sua empresa como uma rede de franquias que o sucesso será instantâneo. Afinal, ao expandir sua empresa por meio do franchising, o proprietário da marca assume uma série de responsabilidades. Além de fornecer o suporte e o know-how sobre todas as operações, o franqueador também tem como dever.

  • Gerir a imagem da marca e cuidar das ações de marketing direcionadas ao consumidor final;
  • Investir na pesquisa e inovação para implementação de novos produtos e serviços;
  • Buscar constantemente o aperfeiçoamento dos sistemas de gestão da rede e das unidades.

Apesar das responsabilidades citadas não serem exclusivas de um gestor de franquias (são ações indispensáveis para que qualquer tipo de negócio dê certo), a diferença é que, ao contrário da expansão convencional, as vantagens do franchising são muitas. 

Com isso, mesmo com as grandes responsabilidades extras que possam acompanhar o modelo, é possível afirmar que o franchising é o melhor caminho para quem está buscando expandir um negócio. Confira abaixo alguns dos principais benefícios que o franchising proporciona!

Baixo custo

Podemos começar com aquilo que todo empreendedor deseja ouvir: ganhar mais, gastando menos. Ao se tornar um franqueador, você pode expandir um negócio investindo muito pouco. Como mencionamos anteriormente, o franchising consiste na concessão do direito de exploração de uma marca. 

Dessa forma, você irá se associar a parceiros que irão dividir com você diversas responsabilidades. Como franqueador, seus custos basicamente estarão relacionados a formatação inicial da franquia e o processo de seleção, recrutamento e treinamentos de franqueados. 

Assim, para a abertura das novas unidades, serão os franqueados que irão arcar com os custos relacionados a:

  • Compra ou aluguel do imóvel para instalação da unidade;
  • Reforma do prédio para adaptar a arquitetura à identidade da marca;
  • Custos dos equipamentos necessários para prestação do serviço.

Além disso, eles irão acompanhar todas as etapas do processo anterior à inauguração. Portanto, além de gastar menos, o trabalho também é reduzido se comparado ao necessário para abrir uma filial própria.

Rapidez

Expandir um negócio abrindo unidades próprias leva tempo. Para alguns empreendedores, o franchising pode ser a única possibilidade de assumirem uma posição de liderança antes que outros investidores invadam seu espaço. Pois, como vimos, franqueados cumprem a maior parte das tarefas.

O modelo de negócio não só permite a alavancagem financeira do franqueador como também promove os recursos humanos. Uma das maiores vantagens do franchising é que ele possibilita que as redes pequenas consigam competir com empresas muito maiores. Assim elas podem se estabelecer nos mercados antes que as grandes corporações o façam.

Motivação do franqueado

Outro obstáculo enfrentado por diversas empresas que não optaram pelo franchising, é encontrar bons gestores de unidades. É comum empresários gastarem meses procurando e treinando novos gerentes para, logo depois, vê-los deixar o negócio — ou serem contratados pela concorrência, por exemplo. Além do mais, estes profissionais são apenas funcionários. Não há garantia de que eles terão um compromisso genuíno com o negócio.

No franchising, isso é diferente, uma vez que o responsável pela gestão da unidade é o seu próprio dono. Ou seja, ninguém jamais terá interesse maior no negócio do que o proprietário. Ainda, a motivação do franqueado em lutar pelo sucesso do próprio negócio vai ter efeitos positivos sobre o desempenho da unidade, como:

  • Compromisso a longo prazo: o franqueado teve que realizar um investimento significativo, então não deve ser fácil para ele se afastar do negócio;
  • Gestão de melhor qualidade: como um “gerente de longo prazo”, o franqueado vai aprender continuamente sobre o negócio e, por isso, é provável que adquira conhecimento para sua empresa;
  • Melhoria da qualidade operacional: embora não existam estudos específicos medindo esta variável, operadores de franquias costumam ser mais caprichosos com suas unidades. Eles manterão os locais mais limpos e vão treinar melhor os funcionários porque eles não apenas gerenciam, mas são donos do negócio;
  • Inovação: como dito, os franqueados têm participação no sucesso. Por isso, estão sempre em busca de oportunidades para melhorar a marca — um traço que a maioria dos gerentes não compartilha;
  • Maior atenção: os franqueados também irão manter um olhar mais apurado para as equações — nos custos do trabalho, irregularidades (por funcionários ou clientes) e quaisquer outras despesas que podem ser reduzidas.

Redução da equipe e facilidade de supervisão

O franchising também permite que empresas funcionem com uma equipe muito mais enxuta. Como os franqueados devem assumir muitas das responsabilidades que antes eram da marca, os franqueadores podem aproveitar esse reforço para reduzir a equipe e os custos.

Do ponto de vista gerencial, a franquia também oferece vantagens. O franqueador não é o responsável pela gestão do dia a dia das unidades. Isso significa que se um colaborador tiver algum contratempo e não puder comparecer ao trabalho, quem terá que resolver a situação é o franqueado, e não você. 

Ainda, se os franqueados optarem por pagar salários mais altos que o mercado, empregar seus amigos e parentes, ou gastar dinheiro em compras desnecessárias, isso não terá impacto sobre os seus retornos financeiros. Ao eliminar essas responsabilidades, o franqueador permite direcionar os esforços para outros assuntos de maior relevância para o sucesso da marca.

Eliminação de riscos

A partir de tudo que foi mencionado sobre o funcionamento do franchising e o que ele traz para o dia a dia de um negócio, é simples entender que, por sua própria natureza, o franchising reduz o risco para o franqueador. Ou seja, a menos que você estruture a rede de uma maneira diferente (poucas pessoas o fazem), o franqueado assume todas as responsabilidades pelo investimento em sua própria unidade, pagando por todos os materiais, equipamentos e recursos humanos. 

Além disso, ele é o responsável por qualquer capital de giro necessário para estabelecer o negócio e responsabilidade pelo que acontece dentro da própria unidade. Então, você, como franqueador, está em grande parte fora de qualquer responsabilidade. 

A combinação desses fatores garante um risco substancialmente reduzido. Afinal, eles permitem, aos franqueadores, crescer para centenas ou mesmo milhares de unidades com um investimento limitado e sem gastar do seu próprio capital na expansão da rede.

Quero transformar minha empresa em franquia: e agora?

Com todas essas vantagens, fica difícil não refletir e pensar: quero franquear! Mas, e agora? O que devo fazer? Bom, se você realmente está considerando o franchising como alternativa para consolidar a marca junto ao público, é preciso descobrir se faz sentido expandir com o modelo de franquias.

Para isso, é necessário ter cautela. Afinal, é importante ressaltar que nem todos os empreendimentos atendem a estes requisitos.

Então, antes de expandir um negócio por meio do franchising, é fundamental que você faça uma análise profunda da marca: a chamada análise de franqueabilidade. Dessa forma, irá saber se ela possui as características necessárias para ser transformada em uma rede.

Análise de franqueabilidade

Como o próprio nome sugere, a análise de franqueabilidade serve para avaliar se o negócio tem potencial para ser transformado em uma rede. Para chegar a uma conclusão se vale a pena expandir um negócio por meio do franchising, são avaliados alguns aspectos essenciais. Veja quais abaixo:

1. Estrutura da empresa 

O primeiro passo é questionar se o negócio está preparado para se tornar uma franquia em termos de gestão, capital humano, organização interna e capacidade de suporte a franqueados? Isto é, analisar a empresa internamente em todas as suas áreas para que se possa observar seus alicerces. 

Ainda, antes de franquear, o gestor deve contar com dinheiro suficiente para investimentos em melhorias estruturais e organizacionais, a fim de que os processos de produção sejam facilmente replicáveis em novas unidades da marca. Além disso, formatar a franquia pode significar um gasto importante, tornando essa reserva ainda mais crucial nesse momento de preparação.

2. A marca, sua imagem e posicionamento no mercado

Qual a força da marca e qual a imagem que os consumidores têm dela? É fundamental que, antes de se tornar uma rede de franquias, a empresa tenha um público fiel em seu território de origem. Afinal, é a partir do perfil dos clientes já existente que serão estabelecidos públicos-alvo em novas localidades.

Grande parte do que fundamenta o franchising é partir de uma marca bem estruturada, não só internamente, mas perante ao público. Senão, qual a razão de utilizar a mesma marca em outra região? É preciso que haja uma reputação por trás dela que facilite novas inserções.

Ou seja, trabalhar a marca é, acima de tudo, trabalhar a qualidade dos produtos, dos serviços e do atendimento. Assim, a análise de franqueabilidade serve também para avaliar se o posicionamento da empresa está de acordo com o que os consumidores estão procurando.

3. Potencial de vendas e concorrência

É também a partir do posicionamento da marca do mercado que se percebe para onde ela pode expandir suas vendas. Isso, posto em comparação à concorrência da empresa, delimita quais novos públicos podem ser atingidos. 

É importante observar a concorrência (direta e indireta), a fim de avaliar quais são os diferenciais do negócio. Adentrar mercados que ainda não oferecem o que a marca dispõe é o primeiro passo para ter uma rede bem-sucedida. No mercado competitivo em que vivemos, saber se sobressair é tudo!

4. Diferenciais dos serviços e produtos oferecidos

Ainda nessa linha, hoje em dia está cada vez mais difícil criar produtos totalmente novos. Isso porque muitas empresas têm acesso às mesmas matérias-primas e insumos. As marcas semelhantes no mercado disputam a qualidade em fatores técnicos de produção. Por isso, a análise de franqueabilidade também observa o cuidado que a empresa tem com a qualidade de seus produtos e serviços.

5. Modelo financeiro e fontes de receita

Como são organizadas as finanças na empresa? É preciso colocar no papel todo o capital que será investido na transição para franquia, envolvendo adaptações estruturais e investimentos para transmissão de know-how a novos franqueados.

Analisar as margens de lucro do produto e as despesas médias de operação de uma unidade no modelo de negócio também é fundamental para ter percepção a respeito da sobrevivência da rede. Afinal, ela dependerá do sucesso das lojas para continuar se expandindo.

Nesse processo também é válido começar a pensar valores como royalties, fundo de marketing e da própria instalação dos novos franqueados. Esses números precisam encontrar um equilíbrio entre as necessidades da marca e o que o mercado pede. 

6. Capacidade de transmissão de know-how

O conhecimento a respeito da operação da empresa deve ser transmitido em uma rede de franquias a novos operadores de lojas — os chamados franqueados. 

Logo, todo o know-how deve estar consolidado e padronizado desde já, a fim de ser replicado posteriormente. Mesmo em marcas que ainda não são franquias, os processos operacionais devem estar postos no papel e prontos para serem repassados para novos gestores.

Questões como manuais de franquia, treinamentos em vídeo ou fichas técnicas dos processos operacionais também devem ser preparados. Em um modelo de negócio que preza pela padronização, não há espaço para desleixos ou preguiça na hora de transmitir o know-how aos novos franqueados.

7. A empresa é um bom ambiente de trabalho?

O franchising é uma relação de parceria. Para isso, é importante que o ambiente seja propício para desenvolver uma relação profissional entre franqueador e franqueado. Além disso, todo novo franqueado deve se sentir motivado dentro da rede. Afinal, seu trabalho será intenso e o retorno do investimento virá com o tempo.

A fim de evitar insatisfações dos operadores, a gestão da rede deve prestar atenção nas condições de trabalho, no suporte oferecido aos funcionários e também na sua força como marca e produtos. Isto é, a empreitada deve valer a pena para o investidor que estará apostando seu dinheiro na rede.

Por fim, um ponto de atenção quanto a viabilidade do processo de formatação, é saber que a análise de franqueabilidade requer um trabalho técnico para sua realização. Portanto, é recomendado que você procure por consultorias especializadas.

Se quiser saber mais sobre o assunto, acesse nosso guia completo sobre a análise de franqueabilidade e comece a descobrir se sua empresa está pronta para se tornar uma rede de franquias. 

Como formatar uma empresa em uma rede de franquias?

Antes de partir para o mercado em busca de franqueados, recomenda-se que você conheça algumas outras particularidades do franchising.

Em um primeiro momento, é importante que você reúna o máximo de informações sobre o funcionamento do modelo de negócio. Afinal, o sistema de franquias possui uma série de regras específicas, e o conhecimento a respeito delas é fundamental para o sucesso do seu negócio.

Os principais tópicos para os quais você deve ficar atento são:

Aspectos jurídicos

No franchising, as regras básicas para o estabelecimento de contratos entre franqueador e franqueado são regidas pela Lei de Franquias. Dessa forma, estamos falando de um modelo de negócio que possui uma legislação completa e sua leitura é fundamental para que todo o aspirante a franqueador conheça as normas.

Uma das principais funções da legislação é definir os requisitos da Circular de Ofertas de Franquias. A COF é o instrumento utilizado para apresentar as informações econômicas, jurídicas e operacionais da empresa aos novos franqueados. Então, se durante a leitura você tiver dificuldades para entender os jargões técnicos da lei, procure a ajuda de um advogado especialista na matéria.

Taxa de franquia e os royalties

Entre as regras e tradições do franchising, é comum encontrar diversos conceitos e termos que — naturalmente — serão novidades aos seus olhos. Entre os principais, destacamos as taxas de franquia, que representam boa parte dos valores desembolsados pelo franqueado ao consolidar a concessão de uso da marca adquirida. 

A taxa de franquia é um valor pago pelo franqueado logo após a assinatura do contrato de adesão. Trata-se de uma quantia única que corresponde à concessão pelo uso da marca. Os royalties, por outro lado, dizem respeito a um pagamento periódico (geralmente mensal) que a unidade deve pagar à marca a partir do faturamento ou valor fixo.

É importante ressaltar que nenhuma das cobranças é de natureza obrigatória. No entanto, caso você opte por realizá-las, é obrigatório informar o franqueado a respeito de forma clara e direta na COF.

Marketing

Outra importante responsabilidade da franqueadora diz respeito à gestão da imagem da marca. Além de divulgar os produtos e serviços para os consumidores finais, a rede também deve criar ações para atrair novos investidores. Portanto, mais do que uma estratégia, o marketing é uma necessidade e uma obrigação dentro do mercado de franchising.

Treinamentos e manuais

Como mencionamos ao longo desse conteúdo, uma das principais características do franchising é o apoio administrativo e operacional do qual o investidor conta ao abrir a sua unidade. Portanto, se você quer atrair franqueados para a sua rede, é recomendado que você invista em treinamentos e suporte ao franqueado.

Software de Gestão

Uma das melhores formas de aprimorar o relacionamento com os seus franqueados é por meio de um software de gestão. A solução da Central do Franqueado, por exemplo, conta com funcionalidades onde você pode reunir informações, acompanhar as demandas dos seus franqueados, indicar fornecedores homologados e aplicar o controle de qualidade em todas as unidades.

Se tiver dúvidas, que tal bater um papo conosco? Teremos o prazer de apresentar nossa plataforma, criada para tornar mais prática e ágil a gestão de franquias. 

Aprenda a franquear seu negócio da forma certa

Se você tem um negócio e pensa em como expandir de uma forma mais segura e prática, por que não escolher o franchising? Porém, sabemos que não é uma tarefa tão fácil e exige algum conhecimento de como funciona o sistema de franquias.

Para isso, a Central do Franqueado indica o curso “Formatação de franquia Segredos da Franquia“, ministrado pelo especialista em franchising, Erlon Labatut. Erlon é diretor do site Franqueador.com, especializado em consultoria para franquias e sócio fundador da rede de franquias Nuv-Nuv.

Com mais de 16 anos de atuação com consultoria e treinamentos, sendo os últimos seis anos focados no mercado de franquias, Erlon oferece uma oportunidade única para empreendedores que buscam expandir seu negócio.

O curso irá detalhar todo o processo necessário para tornar o seu negócio em uma franquia. Dividido em seis módulos, o curso oferece um aprendizado de tudo que é necessário para franquear e ingressar no mercado de franquias. 

Se interessou? Então não perca a oportunidade de aprender com quem entende de franchising e saiba como estruturar o seu negócio da maneira correta para operar como franquia. Clique aqui para mais informações do curso!

A Central do Franqueado também dispõe de e-books exclusivos para que você tenha a oportunidade de aprimorar cada vez mais a gestão dentro de sua franquia. Conheça nossos materiais educativos!

Author Avatar
Dario Ruschel

CEO da Central do Franqueado