Guia básico: como se preparar para transformar o seu negócio em franquia em 2020

 

Seu negócio foi muito bem em 2019 e você quer planejar sua expansão através do modelo de franquia? Portanto continue lendo para saber sobre como ter um plano sólido para expansão da sua empresa em 2020

 

Por que franquear?

Investir no franchising é jogo certo – os números deixam isso bem claro, uma vez que mesmo na situação econômica atual do Brasil, o mercado de franquias continua crescendo constantemente – tanto em faturamento, quanto em variedade. De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), em 2018 o franchising registrou um lucro anual de 7,1% em relação à 2017. Isso representa um salto de R$163,319 bilhões para R$174,843 bilhões no último ano.

Vantagens

Um ponto bastante forte da expansão por franquia é a capacidade de oferecer vantagem ao consumidor, uma vez que uma marca de seu interesse esteja disponível de forma acessível, através de várias unidades. Para a sua marca, o franchising pode representar ainda mais benefícios, uma vez que proporciona uma exposição muito mais ampla.

Isso tudo possibilita que o negócio conquiste força no mercado. O franchising permite, com mais facilidade, que negócios locais alcancem novos públicos, adentrando novos territórios, tornando-se mais conhecidos e, dependendo de sua qualidade, tornando-se referências em seus setores.

Esse modelo, como forma de expansão, é extremamente eficiente, sendo atrativo para empreendedores que possuem a ambição de serem reconhecidos em seus segmentos de mercado.

Se você, empreendedor e possui essa ambição, esse post é para você.

 Provavelmente você já está pesquisando e estudando sobre como franquear seu negócio… É por isso que fizemos esse texto: para que você comece a se preparar o quanto antes e possa alcançar seus objetivos a curto-prazo. Aproveite o final do ano para alinhar o que for necessário na sua empresa – e faça do ano que vem o ano de colocar todas as mudanças em prática. Por onde começar o processo de transição ao franchising?

Plano de negócio: como começar a preparar minha empresa para se tornar uma franquia?

Antes de buscar reconhecimento, é necessário se reconhecer.

Para que o processo de inserção de um negócio próprio em um mercado de franquias aconteça com segurança e foco, é fundamental que o empreendedor tenha noções firmes a respeito de seu próprio negócio e do terreno no qual está pisando. Em outras palavras, é preciso estudar o setor de mercado da empresa e analisar se a empresa já possui estrutura para se expandir através de unidades de franquia.

Esse é o momento de análise de franqueabilidade. A partir da descoberta de brechas e oportunidades no mercado, o empreendedor precisa se certificar de que o negócio está pronto para suprir tais necessidades. Posteriormente, essas análises serão a base de como a franquia será formatada e de um plano de expansão direcionado, visando a otimização da inserção da marca nos novos mercados.

1) Análise de franqueabilidade a partir da avaliação da empresa e do mercado

O quão “franqueável” meu negócio é? Essa pergunta é respondida através de um estudo aprofundado sobre o mercado e sobre a empresa. A análise de franqueabilidade é um momento de comparação entre o negócio e a oferta do mercado.

Minha empresa tem diferenciais em relação a possíveis concorrentes?

Existe o potencial de preencher um espaço vazio no mercado?

Quais as tendências do meu setor de mercado para a médio-prazo?

Essas são, resumidamente, perguntas que devem ser respondidas para que, a partir de suas respostas, o próprio negócio seja avaliado. Deve se analisar se existe capacidade financeira e estrutural para que o formato da empresa se replique em mais unidades. Através de um levantamento e  de mudanças necessárias para que a empresa se adeque ao modelo de franchising. É durante esse processo, principalmente, que o empreendedor percebe: vale a pena franquear agora? O processo de transição precisa gerar rentabilidade tanto para o franqueador, quanto para os futuros franqueados.

É importantíssimo, entretanto, que o empreendedor tenha noção de que no início, nenhuma rede terá retorno financeiro significativo imediato, que seja suficiente para manter toda a rede. Portanto, antes de franquear, o franqueador deve ter a sua disposição uma base financeira para manter o negócio de pé. A existência de tal base financeira é conferida na análise de franqueabilidade.

Antes de 2020, aproveite e procure o auxílio de consultorias que realizem, juntamente ao gestor, a análise de franqueabilidade do negócio.

2) Formatação de franquia: definindo modelos, manuais, contratos

A partir da certeza de que a replicação do negócio é viável, é hora de definir como fazer isso.

Um dos fundamentos do franchising é o funcionamento da empresa em rede através da padronização de processos. Ao formatar uma franquia, o empreendedor deve, juntamente com a sua equipe da franqueadora, encontrar os meios para definir um modelo de unidade, o qual então será vendido para futuros franqueados. 

Tal modelo envolve diversos aspectos como a infraestrutura das lojas e os equipamentos a serem utilizados na produção. Ao ser definido, o modelo deve ser devidamente passado aos franqueados, através da transmissão de know-how por programas de treinamento e, também, pela disponibilidade de suporte por parte da equipe da franqueadora. Portanto, o treinamento e o suporte também devem ser formatados da melhor forma possível. Nisso, a definição de manuais é muito útil. Nesses materiais, encontram-se todos os detalhes para a instalação e funcionamento das unidades de franquia, prezando a padronização em rede.

Existe também, claro, a parte formal da formatação de uma franquia, a qual dirá respeito às obrigatoriedades do franqueador e do franqueado. A formação de uma Circular de Oferta de Franquia é a oficialização de um documento que detalhará todas as taxas que deverão ser pagas pelos franqueados da rede, como a taxa de franquia, os royalties e o fundo de propaganda.

Nela e no Contrato de Franquia, também, constarão os deveres do franqueador, em relação ao suporte às unidades, por exemplo. Esses documentos são elaborados a partir da Lei 8.955/94, a chamada Lei de Franquias.

Até o final do ano, procure ficar por dentro de todos os detalhes jurídicos que implicam a formatação de empresas em redes de franquias. Conte com a ajuda de consultores especializados na área do direito.

Formatar uma rede é algo que toma tempo. Portanto, não se apresse.

Talvez, 2020 seja o ano de formatar seu negócio para poder tomar esse grande passo.

3) Plano de expansão do seu negócio: direcionamento para determinar e conquistar objetivos

Sua ambição como empreendedor interessado no franchising é expandir o alcance de seu negócio, certo? No entanto, para onde ir? Ou melhor: quais os seus objetivos, como empreendedor, em expandir seu negócio através do formato de franquias?

É muito vazio e inapropriado pensar apenas no lucro quando o assunto é expandir uma rede. Até porque, como já comentamos, o retorno financeiro das primeiras unidades de uma rede é um retorno modesto. A caminhada para um grande faturamento em rede é longa e depende de vários fatores, principalmente do sucesso dos franqueados e da atratividade da rede para novos investidores. Ou seja, para que isso ocorra de forma apropriada, é necessário:

  1. a) Encontrar franqueados com perfil compatível para gerirem unidades da franquia;
  2. b) Demonstrar a potenciais investidores que vale a pena investir em uma unidade da rede.

Direcione seus esforços

Para isso acontecer, mais do que qualidade em produtos e serviços, é necessário direcionamento de investimentos e esforços da franqueadora. Não adianta nada buscar expansão em todos os territórios possíveis sem que hajam recursos financeiros e profissionais para isso. É preciso canalizar objetivos e energia, expandindo, de preferência, em espiral a rede. Para isso, formatar um plano de expansão é último passo antes de começar a franquear o negócio. Em um plano de expansão, o franqueador e sua equipe definem por onde buscar a instalação de unidades da franquia – e a partir disso, traçam o perfil de franqueados ideais nessas localidades.

Nesse plano, são projetados também os resultados que o franqueador deseja para o seu negócio. A partir disso, metas são definidas – e estratégias de expansão são melhor desenvolvidas.

Comece agora a pensar: o que pretendo conquistar com a expansão do meu negócio através do franchising? Mesmo que o plano de expansão seja uma das últimas fases, é mais fácil se os objetivos já estão pré-estabelecidos na sua cabeça.

Onde você gostaria que seu negócio estivesse disponível? Trace na sua mente um caminho para a sua empresa, mas não esqueça de manter os pés no chão.

Animado para colocar em prática suas metas para o ano que vem? Se precisar de mais uma luz, conte com a nossa ajuda! A Central do Franqueado, além de disponibilizar um blog cheio de conteúdos sobre o universo do franchising, oferece uma plataforma de gestão de unidades de franquia que pode facilitar o seu trabalho como futuro franqueador. Saiba mais aqui.

 

Resumo

  • Quer aprender a formatar uma franquia? Veja este curso