Transformar meu negócio em uma rede de franquias: o que fazer

O desejo de todo empresário é alcançar o sucesso. Alguns são mais ambiciosos e buscam o crescimento contínuo. O franchising é um modelo de negócios que vem conquistando cada vez mais investidores por mostrar-se um caminho rápido para o crescimento das empresas. Porém, antes de ingressar no mercado de franquias, é importante que você fique atento a alguns detalhes importantes, pois gerir uma rede exige conhecimento e preparação. Você deve estar se perguntando: “mas afinal de contas, o que eu preciso saber antes de transformar meu negócio em uma franquia?”. Para ajudá-lo a se preparar para este importante passo, a Central do Franqueado preparou algumas dicas. Confira!

Neste conteúdo, você irá conferir os seguintes tópicos:

Os números mostram: o franchising é um formato de gestão que funciona. De acordo com a ABF, o mercado de franquias faturou mais de R$174 bilhões em 2018. Isso é resultado da expansão de redes e também da criação de novas franquias. O número de unidades também cresceu. Esses indicativos são fruto da evolução do modelo de franchising, que cada vez mais moderno, prático e seguro, afirma-se como uma opção interessante para pequenos e grandes investidores.

Se você chegou nesse post por estar pensando em fazer de seu negócio uma rede, saiba que essa é certamente uma boa ideia. Porém, franquear é um caminho sem volta. A partir do momento em que novos empreendedores passam a gerir unidades da sua marca, o sucesso da empresa não estará apenas em suas mãos. Como franqueador, você deverá encontrar os meios para garantir que as lojas funcionarão de forma adequada. Para isso, é preciso pensar cuidadosamente na formatação da rede.

Talvez você não saiba por onde começar. Por isso, preparamos este guia, cujo objetivo é apresentar as etapas necessárias para que você saiba como transformar seu negócio em uma franquia. Antes de tudo, vamos esclarecer o principal conceito desse assunto:

O que é franquia?

De uma uma forma simples e resumida, franquia é um modelo de negócio que consiste na concessão do direito de uso, fornecida por um franqueador, para que o operador de rede (franqueado) possa replicar, em diferentes locais, um formato reconhecido e bem sucedido de exploração de mercado.

Este negócio pode ser uma marca, um serviço, um produto ou até mesmo um conceito. As franquias abrangem diversos segmentos de mercado e têm como principal característica a padronização de processos e de produtos.

Um exemplo que você provavelmente já viu, mesmo sem se dar conta, são as lojas de shoppings. Percebeu que a maioria pode ser encontrada em outros centros comerciais ou até mesmo cidades? Pois então, aí estão as franquias mais uma vez.

Por que transformar meu negócio em uma rede de franquias?

O franchising é uma ótima alternativa de negócio para quem tem uma empresa consolidada perante o público, pretende fazer com que ela penetre em outros mercados, mas não deseja investir na instalação de novas unidades, tampouco assumir o compromisso de geri-las.

Sendo o único proprietário da rede, toda a responsabilidade pela gestão acaba recaindo sobre você. Já no franchising, ela é compartilhada com os franqueados. Sem falar que, ao abrir espaço para que outros investidores explorem sua marca, você também estará diluindo riscos. Afinal de contas, você não terá gastos com a implantação das novas lojas.

No entanto, apesar dos benefícios, a maioria dos especialistas e consultores na área indica cautela. Antes de transformar seu negócio em uma franquia, é fundamental que você faça uma análise profunda. Afinal, nem todas as empresas e gestores possuem perfil de franqueador.

Análise de franqueabilidade: meu negócio está pronto para se  tornar uma rede?

A chamada análise de franqueabilidade não traz muito mistério em seu nome. É nesse momento que você irá conferir o “quão franqueável” seu negócio é. Essa etapa é fundamental para que o potencial da empresa como rede seja verificado. Mas, mais do que isso, é aqui que aspectos estruturais podem ser revistos. Ao fazer a análise, problemas são diagnosticados e adequações são feitas. Essa é uma forma de prevenir problemas futuros ao franquear a marca. A avaliação pode ser feita em torno dos seguintes questionamentos:

  • Os serviços e produtos da minha empresa são essenciais para os consumidores em diferentes mercados?
  • Meus produtos e serviços podem ser reproduzidos por outras pessoas independentemente da minha presença?
  • Eu sei, de forma clara, qual é o formato ideal de funcionamento da minha empresa (número de funcionários, pontos comerciais, impacto de impostos, etc)?

Dica: o trabalho de consultorias especializadas na formatação de franquias pode fazer a diferença na resolução dessas questões. Contar com o auxílio de profissionais experientes na área é uma forma de trazer uma visão crítica para a situação da empresa. Assim, como aspirante a franqueador, você irá perceber em qual estágio seu negócio se encontra: conferindo, por exemplo, sua capacidade de produção e sua situação financeira. 

Feitas as adequações? É hora de estruturar a rede.

Transformar meu negócio em uma rede franquia: 10 passos

Aqui, serão apresentadas as fases de formatação de uma rede. Os dez itens a seguir abordarão obrigatoriedades e demandas para que seu negócio tenha êxito ao ser transformado em franquia. Vamos lá?

Início – Burocracias e planos de negócio

A primeira coisa a ser feita quando o empreendedor opta por franquear seu negócio é tomar as providências burocráticas para a instauração legal da sua rede de franquias. Neste momento também é fundamental que o novo franqueador trace um planejamento financeiro para que a expansão seja viabilizada. Portanto:  

1) Registre a rede:

Assegure-se de que sua marca está liberada para registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Isso evita problemas futuros com a replicação do seu negócio.

2) Elabore a Circular de Oferta de Franquia (COF):

 A Circular de Oferta de Franquia (COF), prevista na Lei de Franquias, é o que oficializa a oferta de seu negócio no formato de franchising. O documento é obrigatório e deve ser feito por um advogado especialista do ramo. A COF é importante pois contém todos os dados a respeito do empreendimento e sobre o modelo de franquia adotado. Lembre-se: ela é feita para a leitura de futuros investidores, então as informações devem estar claras.

3) Estruture um plano de negócio:

O plano de negócio é o que descreverá seus aspectos estruturais e os objetivos da empresa no mercado. Quais são os custos de instalação da franquia? Quais os produtos oferecidos pela marca e seus diferenciais? Qual o prazo de retorno do investimento do franqueado? O potencial de lucratividade do negócio? Quais serão os royalties sobre o faturamento da franquia? Essas e outras questões devem ser respondidas para que o franqueador tenha consciência do que é necessário para que a empresa se mantenha e cresça no mercado.

4) Estipule um planejamento financeiro:

Como já deu para perceber, você também precisa de uma reserva de caixa para iniciar a expansão. O investimento depende de cada negócio, mas os especialistas costumam estipular um valor em torno de 50 mil reais para que os trâmites necessários para a venda de franquias sejam efetuados. 

Dica: parte do planejamento financeiro pode considerar a contratação de uma empresa de consultoria. Ela irá auxiliá-lo no processo de formatação do negócio, com cursos e treinamentos, registros e outras questões burocráticas.

Meio do caminho – Produção de manuais e treinamentos

Resolvidas as questões legais e as relativas aos planos de negócio? Então agora você deve começar a se preocupar com a forma como as unidades de franquia serão estruturadas. Prime pela padronização das lojas e pelo controle de qualidade da rede elaborando manuais a serem seguidos por gestores e funcionários. Também, organize bons programas de treinamentos: eles devem ser obrigatoriamente oferecidos aos novos franqueados para sua capacitação. 

O que fazer?

5) Manual de uso de imagem

Comece elaborando um manual de uso de imagem. Nele, você irá expor o que é permitido e o que é proibido em relação ao uso da marca. Essa parte é primordial para que a instalação de novas unidades seja feita de forma padronizada. 

6) Manual da franquia

Como o negócio funciona? Fazer um manual da franquia é deixar especificados todos os processos do negócio – sejam atividades de produção, ou de gestão. É a partir desse manual que são elaborados os programas de treinamento

7) Programas de treinamentos 

O papel dos treinamentos é primar pela padronização do funcionamento das unidades. O franqueador precisa organizar programas de capacitações, que podem ser disponibilizados em vídeo ou ser realizados presencialmente com a ajuda de consultores de campo. Transmitir know-how aos futuros franqueados, que então treinarão seus funcionários, é algo essencial para a atividade da rede.

Dica: estruturar a loja matriz para que ela sirva como exemplo de aplicação de todos os padrões que serão usados nas franquias é uma maneira prática de capacitar novos franqueados. Esses podem visitar a loja piloto para tirarem dúvidas e conhecerem melhor as práticas de gestão da marca. Já aulas em EAD são uma solução prática e barata, úteis para qualquer rede.

Quase lá – Formalização e venda de franquia

Com manuais prontos e com as questões tributárias organizadas, chega o momento de tomar as providências necessárias para que você possa vender sua franquia. Para isso:

8) Altere o contrato social da empresa: 

Se preferir, você também pode abrir uma empresa para realizar esta nova atividade. Obs: essa parte de formalização da franqueadora pode ser feita no início do processo de franchising, pois não há uma ordem obrigatória entre as etapas.

9) Trace um plano de expansão:

Analisar os mercados de inserção da rede e então elaborar uma estratégia de venda da franquia é algo primordial para o sucesso da marca. Decida se irá ofertar unidades em todo o país, no estado onde já atua ou apenas no entorno da loja matriz – optando pela expansão em espiral

Dica: nas estratégias de comercialização da franquia, vale apostar em assessoria de imprensa, marketing digital, participação em feiras e eventos da área, venda direta, entre outras táticas, a fim de atrair o interesse de investidores.

Tudo pronto – Gestão e relacionamento

Sucesso, agora você conseguiu vender sua franquia e tornar-se um franqueador! Mas acalme-se, pois o trabalho apenas começou. Para que a parceria seja produtiva, é preciso estabelecer um relacionamento correto, educado e responsável com seus franqueados. Portanto, é preciso estar presente além das reuniões periódicas. Para acompanhar a rotina dos gestores…

10) …utilize uma ferramenta de comunicação e suporte.

Um grande desafio para todo franqueador é garantir que todas as unidades de franquia estão funcionando adequadamente. Para que isso aconteça, é preciso monitorar sua atividade com canais eficientes de comunicação e suporte. As plataformas de gestão de franquias, como a Central do Franqueado, facilitam o contato entre franqueador e seus franqueados. A interação bem ajustada, rápida e eficaz proporciona diferenças significativas no controle de qualidade da empresa. Que tal conhecer o nosso sistema?

Dicas da CENTRAL DO FRANQUEADO

E-book “Como tornar sua empresa uma franquia”: material gratuito e super completo disponibilizado pelo Sebrae. Leia aqui.

Franquia RS: projeto do Sebrae RS em parceria com a ABF que visa apoiar 30 micro e pequenas empresas gaúchas que queiram expandir por meio do modelo de franquias. Saiba mais aqui.

Esperamos que você tenha se animado a optar pelo franchising! Tome seu tempo e comece a organizar o necessário para dar esse grande passo. Aproveite os conteúdos do nosso blog para enriquecer ainda mais seu conhecimento sobre o mercado de franquias! Boa leitura.

Sistema para Franquias - Peça agora uma Demonstração!