Tudo sobre a Taxa de Franquia

Para entender melhor como funciona o franchising, é preciso conhecer bem seus principais termos relacionados, desde o início da negociação até o cotidiano da operação. Hoje vamos aprender mais sobre a Taxa de Franquia.

O que é a Taxa de Franquia?

A Taxa de Franquia é uma cobrança paga pelo franqueado logo após a assinatura do contrato de adesão. Trata-se de um valor fixo e único, que corresponde à concessão de uso da marca.

O encargo faz parte do investimento inicial para abertura da unidade. Assim como todas as outras eventuais cobranças, a Taxa de Franquia deve estar devidamente discriminada na Circular de Oferta de Franquia. O documento é o principal instrumento legal na relação entre franqueador e franqueado.

Segundo a Lei de Franquias, o COF deve fornecer “informações claras quanto a taxas periódicas e outros valores a serem pagos pelo franqueado ao franqueador ou a terceiros por este indicados, detalhando as respectivas bases de cálculo e o que as mesmas remuneram ou o fim a que se destinam”.

A principal função do Taxa de Franquia é ajudar a custear os gastos que a rede teve no processo de prospecção e seleção do candidato. Segundo uma pesquisa do grupo Cherto, as redes costumam gastar de R$10 mil a R$15 mil em divulgação para obter um novo franqueado. Estima-se que de cada 90 interessados cadastrados, apenas um acaba sendo selecionado.

O valor também auxilia a cobrir as despesas com treinamento, suporte e implantação da nova unidade, valores estes que variam de acordo com a natureza do segmento. Existem franquias que cobram a taxa a cada renovação do contrato de franquia.

A cobrança também pode ser considerada uma maneira de remunerar o franqueador pelo desenvolvimento do negócio, assim como pela tecnologia operacional, suporte, entre outras questões empresariais.

A Taxa de Franquia é uma das duas formas mais comuns de pagamento do franqueador. A outra é o pagamento de royalties, que consiste em uma taxa mensal paga pelo franqueado ao longo do contrato. Para saber mais sobre os royalties, clique aqui.

Franquias que não cobram taxa

Há casos em que a franqueadora opta por não cobrar a Taxa de Franquia. Isso acontece principalmente em decorrência de um planejamento estratégico mais agressivo. É uma forma de a marca atrair mais candidatos a franqueados e buscar uma expansão mais rápida.

A ausência da cobrança não retira da franqueadora a responsabilidades relacionadas ao suporte. Mesmo sem receber a taxa, a rede ainda é obrigada a oferecer know-how e transferir todo o conhecimento da marca.

Como calcular a Taxa de Franquia

Há alguns critérios comumente utilizados para definir o valor da taxa de franquia:

  • Cobrança dos concorrentes

Analisar os valores cobrados pelos concorrentes do mesmo setor é uma tática comum. Isso porque utilizar valores semelhantes ou até mesmo menores pode ser uma forma atrativa para conquistar franqueados.

  • Número mágico

O “número mágico” se refere à cobrança no total de 10% do investimento feito para abrir a unidade. Porém, há alguns aspectos que devem ser avaliados antes de determinar a porcentagem padrão.

A demanda de trabalho para a implantação da loja, por exemplo, varia muito de empresa para empresa. Uma obra grande que deva receber visitas periódicas exige mais custos. Já uma unidade menor, como uma microfranquia, pressupõe menos gastos.

  • Treinamento x Taxa de Franquia

Há a possibilidade de a franqueadora cobrar o valor do treinamento inicial separado da Taxa de Franquia. Isso permite uma melhor avaliação e análise do tempo, deslocamento e equipe necessários para o fornecimento do suporte.

  • Valor da marca

Pode ser a parte mais difícil, mas pare e pense: qual o seu valor? É preciso considerar o reconhecimento da marca perante o público, o grau de consolidação no mercado e o potencial como rede.

Pense nos seus objetivos e imagine quantas unidades você quer abrir em um determinado período de tempo.

  • Tempo

Isto é válido para qualquer rede de franquias. Quanto mais longo o contrato de um franqueado, maior o valor a ser cobrado. Então não inicie com taxas exorbitantes, até para não afastar possíveis parceiros.

É preciso ter atenção também para os reajustes no valor, pois de tempos em tempos, o valor deve ser reavaliado, levando em consideração o momento da rede, a valorização da marca e o aumento nos custos de produção.

Gostou do conteúdo? Então acesse os outros posts do nosso blog!

A Central do Franqueado também dispõe de e-books exclusivos para você aprimorar cada vez mais a gestão de sua franquia.

Conheça também a nossa plataforma de gestão que abrange as mais diversas necessidades operacionais de franquias.

Vale Ler:  Financiamento para franquias: investindo certo em bons negócios