Relacionamento entre franqueador e franqueado

O sucesso de uma rede de franquias depende do bom relacionamento entre franqueador e franqueado. Afinal de contas, é isso que aprimora o trabalho em conjunto. Manter interesses alinhados por um objetivo de rede em comum é algo que exige confiança e muito, mas muito diálogo. Saiba mais sobre o papel da comunicação no franchising.

Empreender é um trabalho cooperativo. Seria muito fácil se o crescimento de um negócio dependesse apenas do esforço do gestor. No entanto, por mais qualificado que o profissional seja, sozinho, ele não tem como manter uma empresa no mercado.

A ambição do idealizador de um negócio deve ser compartilhada pessoa que possam auxiliar no seu caminho para o sucesso. Afinal, é mediante o trabalho em conjunto que qualquer instituição se mantém em funcionamento.

Uma equipe eficiente é aquela que compartilha a mesma visão e objetivos e que se motiva. Profissionais que possuem metas semelhantes conseguem suprir demandas de forma muito mais fácil.

Quando tratamos de redes de franquias, devido a natureza do negócio, a relação entre as partes envolvidas no negócio adquire uma importância ainda maior. O relacionamento entre franqueador e franqueado é uma parceria. Ela necessita de comprometimento mútuo, pois o sucesso de um depende, necessariamente, do trabalho do outro.

O franqueado precisa do suporte do franqueador para operar sua unidade. O franqueador, por sua vez, necessita do investimento do franqueado para expandir a rede.

A sincronia dos interesses e do perfil profissional de franqueadores e franqueados é algo que surge da constante comunicação entre eles. Há quem pense que o programa de treinamentos e os eventuais contatos para suporte sejam o suficiente para uma parceria de sucesso. Isso é um equívoco.

A proximidade entre o responsável pela marca e o operador de uma unidade é o diferencial para que exista, de fato, um relacionamento sincrônico. Ela deve ser trabalhada desde o processo de seleção até o dia a dia das lojas. Franqueadores e franqueados devem buscar uns aos outros, a fim de que o feedback sirva para manter os interesses alinhados.

Preparamos este post para que ele funcione como um guia de abordagem do relacionamento entre franqueador e franqueado. O texto é direcionado tanto para franqueadores que querem passar confiança aos operadores, quanto a franqueados que pretendem estreitar vínculos profissionais.

A importância da sinceridade na relação entre franqueador e franqueado

“Quais os seus objetivos profissionais ao operar uma unidade da minha franquia?”. Essa é a pergunta decisiva no processo de seleção de novos franqueados. Todo franqueador deve fazê-la aos aspirantes a franqueado durante o processo de seleção. A partir de sua resposta, ele poderá analisar o perfil profissional do investidor e colocar em cheque suas intenções.

O candidato, por sua vez, deve ter a consciência de que a sinceridade é o que definirá seu futuro. Caso sua resposta não seja de acordo com a pretensão do franqueador, muito provavelmente o contrato nem será fechado. Do contrário, isso pode se tornar o início de uma parceria que implicará em diversas responsabilidades.

Ser transparente é algo que pode moldar a relação já em sua fase inicial. A transparência é necessária para que não hajam falsas expectativas e promessas de ambos os lados.

O franqueador, deve apresentar a rede de maneira objetiva, transmitindo ao empreendedor o que quer de seu trabalho. Este, por sua vez, deve explanar de forma sincera o que pode proporcionar (levando em conta suas qualidades profissionais) e o que busca na empreitada.

As metas só serão estabelecidas se as duas partes trabalharem juntas e estiverem de acordo com suas pretensões. De nada adianta contratar um franqueado que não sirva para o processo de expansão da empresa. Da mesma forma, não adianta investir em uma rede de franquias que não vá proporcionar o retorno esperado.

Desenvolvendo confiança

A sinceridade na relação entre franqueador e franqueado depende da credibilidade, o que, em qualquer relação, só é possível obter com o tempo. Entretanto, o franchising requer uma confiança inicial para o fechamento do contrato.

Os treinamentos e o suporte, porém, têm papel fundamental no desenvolvimento da confiança entre as partes. Nos treinamentos, não apenas o know-how de operação das lojas é transmitido, mas também são detalhadas as políticas de trabalho da empresa. Os programas de capacitação moldam a postura do operador de uma unidade da franquia.

A participação do franqueador durante o treinamento é uma forma de deixar a dinâmica ainda melhor. Ele pode atuar como representante profissional, oferecendo ajuda e possibilidades de diálogo.

Utilizando bons canais de comunicação

Talvez o mais óbvio componente deste relacionamento entre franqueador e franqueado seja o estabelecimento de canais de comunicação eficazes e acessíveis para contribuir com a rotina de funcionamento das unidades da rede. Afinal, a administração das franquias depende de meios para contato caso seja necessário suporte, e também para que os processos cotidianos sejam feito com maior grau de qualidade.

Dispor de canais de comunicação eficientes é uma forma de melhorar o relacionamento entre franqueador e franqueado. Mas, mais do que isso, é uma forma de manter o padrão de qualidade da marca.

Os canais tradicionais, como o telefone e o e-mail, ainda são muito utilizados em redes de franquias. No entanto, existem meios muito mais eficientes e abrangentes. A Central do Franqueado, por exemplo, é uma plataforma completa que auxilia nas demandas do gerenciamento de unidades funcionando, acima de tudo,  como um canal de comunicação.

Lembrando que dispor de um local acessível e prático para contato é algo que evita desentendimentos e estresse entre franqueados e franqueadores.

Como manter a união na relação profissional?

É inevitável que interesses profissionais mudem ao longo do tempo. Mas, levando em conta o investimento de um franqueado na unidade e de sua importância para o franqueador no processo de expansão, a perseverança é algo que fundamenta o relacionamento no franchising.

A união em relação a metas e ao estilo de trabalho, bem como o compartilhamento dos mesmos valores e princípios, mantém e evolui o engajamento de um operador. Ela proporciona mais confiança na relação entre as partes.

Além de ser peça chave para o sucesso de uma franquia, o relacionamento entre franqueador e franqueado é a porta de entrada para novos investidores. Afinal, o sucesso da relação profissional significa o sucesso da empresa, o que é o maior chamativo para novos investidores. Isso, no fim das contas, pesa muito na definição de um padrão de qualidade.

Existem dois métodos tradicionais (porém muito eficazes) de manter a unidade no franchising.

  1. As consultorias de campo são fundamentais para a análise cotidiana do funcionamento das lojas de franquia, funcionando como meio de avaliação de mudanças que devem ser feitas para a otimização de processos;
  2. A formação de um Conselho de Franqueados é extremamente importante para que os operadores de lojas em franquias sejam ouvidos. As reuniões são momentos de exposição e análise de problemas locais, os quais são passados ao franqueador. Em conjunto, soluções são tomadas. Isso torna a relação mais horizontal e faz o franqueado se sentir mais pertencente à empresa.

Por último, mas não menos importante: “relação profissional é relação profissional”. No franchising, isso não é diferente. Qualquer adversidade pessoal deve ser deixada de lado e o bem da rede deve ser colocado em primeiro lugar.

A maturidade e o profissionalismo nas relações evita desentendimentos desnecessários. Até porque complicações sérias podem acabar na justiça – e isso não cai bem para nenhum dos lados.Aproveite nosso blog e leia mais sobre o papel de franqueadores e franqueados no mercado de franchising. Acesse nossa seção sobre ‘gestão’.

Você também pode acessar diversos outros conteúdos sobre o universo do franchising diretamente no nosso blog.

Software para Franquias - Peça sua Demonstração agora!