Problemas na padronização de franquias: o que fazer para evitar

Só há controle de qualidade em franquias se franqueados e funcionários possuem o conhecimento necessário para a gestão das lojas. É a padronização de processos e de políticas de conduta que possibilita o funcionamento ideal das unidades em rede. Por isso, garantir que ela exista é indispensável. Saiba como evitar que hajam problemas na definição de padrões em uma empresa de franchising

Problemas na padronização

Tomar a decisão de franquear um negócio próprio é embarcar em um desafio, por mais experiente que o empreendedor seja. Afinal, obter sucesso em uma rede é contar com o trabalho de novos gestores que representarão a marca em novas unidades. O franqueador estará concedendo o uso de sua marca a franqueados. Logo, depende do trabalho desses profissionais para que as lojas funcionem adequadamente.

Como gestor da rede o que pode fazer é prezar pela padronização do modelo de franquia. Mas, como garantir que os franqueados estarão exercendo seu papel de acordo com as normas da empresa? Ou melhor: como evitar que problemas em determinadas lojas aconteçam?

Eventuais transtornos são inevitáveis no dia-a-dia das lojas de uma rede. Entretanto, normalmente são provenientes de falhas em processos cotidianos pré-definidos, os quais devem ser de conhecimento dos franqueados e funcionários. Uma rede bem estruturada é aquela que transmite o know-how necessário e seus princípios a todos os profissionais, contando também com mecanismos eficientes de comunicação e suporte.

A partir disso, a padronização do formato de franquia é conquistada e apreendida por toda a rede. Não cabe apenas ao franqueador disseminar normas; é fundamental que franqueados e funcionários as incorporem à sua postura de trabalho.

Já sabemos que são o conhecimento e a conduta dos profissionais que garantem a padronização do funcionamento de franquias. Pensando nisso, separamos cinco dicas para que o franqueador faça sua parte a fim de incentivar e proporcionar um ambiente de trabalho ideal em rede, evitando contratempos na gestão das unidades. Ao exercer tais responsabilidades, o franqueador estará contribuindo para o controle de qualidade de sua empresa. Preste atenção e reveja, desde já, a situação atual do seu negócio.

1) Defina os parâmetros da sua marca

Essa dica é preciosa, principalmente aos recém-franqueados que ainda estão em processo de formatação da rede, mas também, para aqueles que já enfrentam a concorrência e estão constantemente analisando o posicionamento do seu negócio no mercado. Não há rede de franquias sem a definição de uma marca. E por marca, não estamos falando apenas logotipo e slogan, mas sim, de quem a marca é para seu público consumidor e para potenciais investidores – os, então, franqueados.

Um negócio, para ser replicado, além de ser atraente a investidores, deve ter parâmetros definidos, a serem exercidos nas novas unidades. Eles, serão os pilares de formatação da rede. Desde princípios de trabalho, ao layout das lojas, tudo deve estar alinhado com o posicionamento da marca no mercado. Três dos principais pilares são os seguintes:

  • Políticas internas, em relação à conduta dos franqueados e funcionários;
  • Processos definidos, para padronização do trabalho nas unidades;
  • Padrões estéticos, para reconhecimento das lojas.

A partir disso, será fundamentada a padronização da rede: tanto em relação à forma como os clientes serão atendidos, à maneira como os produtos serão produzidos. É pela definição de marca que os itens a seguir serão desenvolvidos.

Dica

Pensar em todos os detalhes para a formatação de uma marca a ser replicada pode ser difícil. Ainda mais para quem nunca teve experiência com isso. Conte com o auxílio de consultorias especializadas em formatação em franquias e, a partir daí, estruture a padronização da sua rede. Para a afirmação de políticas da rede, lembre de desenvolver campanhas de endomarketing, a serem inseridas na rotina das lojas.

2) Desenvolva programas de treinamento completos

Não há gestão de unidades de franquias se o know-how de gestão da marca não foi transmitido aos novos franqueados. Os investidores, previamente selecionados de acordo com seu perfil empreendedor, não chegam sabendo o que precisam saber para administrar uma loja da franquia de acordo com os padrões da empresa. Essa é a função dos programas de treinamento: proporcionar o conhecimento necessário para que os operadores das lojas saibam geri-las dentro das normas estabelecidas.

Partindo dos pilares citados anteriormente, os módulos de treinamento devem ser desenvolvidos, abrangendo todas as questões que envolvem a gestão de uma unidade da franquia. Isso diz respeito desde a forma como a loja será instalada, à maneira como os franqueados capacitarão seus funcionários, para a produção cotidiana e atendimento aos clientes. Aqui, é de suma importância a transmissão das políticas internas da empresa. Afinal, é nos programas de treinamento que os gestores saberão qual postura deverão exercer no dia-a-dia, seja no contato com fornecedores, seja na coordenação do trabalho.

Dica

A Internet possibilita a oferta de aulas interativas, lúdicas e de fácil acesso aos novos franqueados. Treinamentos EAD podem ser acessados a qualquer momento e lugar, ficando armazenados para consulta. Além disso, são uma opção mais barata para a realização dos programas.

3) Tenha mecanismos eficientes para prestação de suporte

Por mais que a autonomia de gerir uma unidade (de acordo com os padrões determinados pela franqueadora, claro), seja conferida ao franqueado, é importante se manter disponível a cada uma das lojas. Isso, pensando na questão de suporte. Por vezes, operadores terão dificuldades em resolver determinadas questões. Sendo o franqueador a referência de know-how dos gestores, sua disponibilidade a auxiliar na resolução de problemas é algo essencial para o controle de qualidade da rede. O suporte, principalmente nos meses iniciais de funcionamento de uma loja, adquire a função de garantir o padrão da empresa.

Para que o suporte seja acionado de forma eficiente, é preciso contar com bons mecanismos de comunicação. Através deles, o franqueador e os franqueados terão contato direto – e problemas serão resolvidos mais rapidamente.

Dica

Novamente, o uso da Internet pode fazer a diferença na gestão das lojas de franquia. A Central do Franqueado é uma plataforma online de comunicação que oferece um módulo que facilita o contato entre franqueador e franqueado. Saiba mais sobre a Central de Atendimento ao Franqueado e Operacional.

Vale Ler:  E-commerce para franquias: Por que ter um e como utilizar na sua rede?

4) Homologue e qualifique fornecedores oficiais

A padronização do processo de produção de produtos e entrega de serviços em franquias depende diretamente da matéria-prima e dos insumos utilizados pelos funcionários nas unidades. Em hipótese alguma, uma rede deve oferecer produtos de diferentes qualidades em unidades distintas. Isso provavelmente é uma das piores experiências que podem acontecer com o consumidor. Logo, para garantir tal padronização, é preciso homologar e qualificar fornecedores oficiais da empresa.

O controle rigoroso sobre tais profissionais é importante para a análise da qualidade dos insumos oferecidos pelos fornecedores. Ele serve também para conferir a eficiência na entrega das matérias. Respeitar prazos é algo que define o abastecimento das unidades, por exemplo. É importante que a rede, além de avaliar o rendimento dos profissionais contratados, disponha dos meios para que os franqueados tenham contato direto com os fornecedores homologados. Assim, é possível acioná-los de acordo com as necessidades das lojas.

Dica

Cuidado com a contratação de fornecedores baratos, pois aqui, vale mais a rapidez e qualidade em entrega do que economizar. Para o contato direto, utilize nosso módulo da Central de Compras: nele, há a possibilidade de envio direto de ordens a fornecedores homologados, listados pela rede.

5) Utilize boas ferramentas de comunicação

Querendo ou não, a comunicação é o cerne da gestão de uma rede de franquias. A partir dela o know-how aos franqueados é transmitido, as políticas internas da empresa são propagadas, o suporte é entregue às lojas e os fornecedores são contatados. Ou seja, tudo passa pela forma como franqueadores e franqueados se comunicam. A fluidez entre as partes é fundamental para a resolução de todas as questões que envolvem a administração das unidades. Além disso, a aproximação entre os profissionais é uma forma de alinhar objetivos em comum, comunicando metas a serem atingidas pela empresa e incentivando o trabalho em conjunto, em prol da evolução da rede.

Ter contato fica muito mais fácil quando existe à disposição uma boa ferramenta de comunicação. Ela deve ser aderida por toda a rede, centralizando as demandas administrativas e os dados relevantes para a avaliação da empresa. Sem falar que utilizar um canal eficiente de contato é uma maneira de desenvolver a relação profissional entre franqueadores e franqueados, o que é um diferencial para a saúde da empresa.

Dica

Aproveitamos a deixa para, mais uma vez, apresentar a funcionalidade da Central do Franqueado. Nossa plataforma foi projetada justamente para que haja a centralização da comunicação e do compartilhamento de dados em rede. Ela auxilia a realização de auditorias e a sinalização de problemas específicos de unidades, os quais podem ser úteis para a elaboração de medidas de melhorias em rede. Quer saber mais? Então que tal bater um papo conosco?

Vale Ler:  Como realizar a avaliação de uma rede de franquia?

Conseguiu identificar algum problema no seu negócio após a leitura das dicas? Se sim, não se preocupe – nunca é tarde para aplicar mudanças na forma como você gerencia seu negócio. Continue navegando pelo nosso blog para mais conteúdos sobre gestão em redes de franquias e reúna novas ideias!