Modelos de franquias: tudo o que você precisa saber

Está pensando em expandir a sua marca por meio do Franchising? Neste artigo, vamos mostrar todos os modelos disponíveis para que tenha segurança para fazer a melhor escolha.

Veja o que vai encontrar ao longo deste post:

O que são modelos de franquias e como se classificam?

Antes de tudo, é importante saber que o sistema de franchising pode ser segmentado de quatro maneiras: geração, localização, natureza da atividade e remuneração. No mundo do franchising, chamamos essas classificações de modelos de franquias.

É muito interessante se informar sobre as possibilidades que existem neste ramo, pois isso facilita muito na hora de decidir sobre os rumos da sua franquia. Entender os modelos de negócio existentes, assim como suas características, facilita o planejamento estratégico e possibilita ao interessado saber em qual categoria sua empresa se encaixa mais.

Quais são os modelos de franquias de acordo com a geração?

Podemos dizer que as franquias podem ser segmentadas de acordo com o amadurecimento e nível de exigência do franqueado e franqueador.

Existem hoje no mercado seis gerações de franquias segundo o nível de evolução, desenvolvimento e profissionalismo de cada rede. Entenda melhor sobre elas a seguir.

Franquias de primeira geração

Esse é o sistema precursor do franchising e também é chamado de franquias de marca e produto. Essa franquia consiste na distribuição de produtos ou serviços sem exclusividade

Ou seja, neste tipo de franquia, o foco da relação entre franqueador e franqueado se dá no fornecimento, pelo franqueador, de produtos ou serviços, que são revendidos pelos franqueados a terceiros e na utilização da marca com esta revenda.

Franquias de segunda geração

Estas também são chamadas de franquias de marca e produto, porém de segunda geração. O que diferencia esta da que falamos anteriormente é que, na segunda geração, os produtos vão ser encontrados pelo consumidor apenas em lojas com a marca do franqueador. Ou seja, de forma exclusiva.

Na maioria das vezes, nesse modelo, o franqueado precisa comprar a mercadoria do franqueador com royalties e taxas de promoções embutidas. São exemplos: Casa do Pão de Queijo e O Boticário.

Franquias de terceira geração

Também chamadas de franquias de formato de negócio, permitem que além da licença de uso da marca o franqueador repasse know-how operacional para os franqueados. Cria um forte espírito de parceria entre as duas partes da rede.

Neste tipo de franquia, todos os métodos, processos e sistemas são previamente desenvolvidos e testados pelo franqueador. Só depois disso é que ele transfere o conhecimento obtido para o franqueado através de treinamentos, manuais, consultorias de campos etc. Exemplo: Rede Mister Pizza.

Franquias de quarta geração

Com maior qualidade e quantidade de serviços prestados, também são chamadas de franquias de rede de aprendizado contínuo. Permitem participação ativa dos franqueados no processo de tomada de decisões e têm padronização baseada na motivação da rede.

No geral, oferecem grande assistência na operação do negócio. Uma marca que se encontra neste estágio de evolução ganha mais agilidade na solução de problemas e o desenvolvimento constante de diferenciais competitivos. Exemplo: escola de idiomas Yázigi.

Franquias de quinta geração

São as chamadas franquias sociais. Nesse modelo, o franqueado tem garantia de recompra pelo franqueador, que detém o ponto comercial. Podem ser disseminadas em diferentes locais e envolver o trabalho de diversas pessoas e organizações. Exemplo: McDonald’s.

Franquias de sexta geração

As franquias de sexta geração são aquelas que usam as melhores técnicas e ferramentas para otimizar suas operações e aperfeiçoar suas redes de negócios

Alguns autores também conceituam franquias de sexta geração como aquelas que levam em consideração os aspectos da sustentabilidade empresarial na hora de fazer o planejamento estratégico do negócio.

Quanto à localização geográfica

A atuação geográfica do franqueado é outra característica que pode classificar modelos de franquias. Podem ser: de desenvolvimento de área, master, múltipla, regional ou unitária.

Franquia de desenvolvimento de área

É a cessão de direito para exploração de uma determinada região, onde o franqueado abrirá mais de uma unidade em um determinado espaço de tempo. O desenvolvedor de área receberá parte do valor cobrado a título de taxa de franquia e royalties.

Franquia master

Modelo utilizado nos planos de internacionalização de franquias e em países de grandes dimensões geográficas. O master franqueado assina um contrato que lhe dá o direito de implantar ou terceirizar outras unidades franqueadas em determinada região, recebendo parte do valor da taxa de franquia e dos royalties cobrados dos franqueados.

Franquia múltipla

Quando o franqueado possui mais uma franquia unitária e pode formar sua própria rede local ou regional de franquias.

Franquia regional

Licencia determinada região para o franqueado e, assim, permite que desenvolva vários estabelecimentos comerciais dentro dessa delimitação. Assim, pode fazer contratos individuais sob sua responsabilidade. Oferece exclusividade regional, evitando a concorrência entre franqueados de uma mesma rede.

Franquia unitária

O franqueador cede o direito de franquear ao franqueado, exigindo exclusividade de atuação no local que for determinado. Assim, nenhum outro franqueado poderá abrir uma unidade da mesma franquia no mesmo ponto. Um exemplo? Uma loja de franquia em um shopping: perceba que nunca vão existir lojas repetidas dentro do mesmo estabelecimento.

Quanto ao ponto comercial

Com regras próprias, as franquias também podem ser classificadas quanto ao seu ponto comercial. Conheça mais abaixo:

Franquia combinada

Como o próprio nome sugere, existe uma integração nesse modelo. Funciona assim: o franqueado que  já possui uma franquia e deseja incorporar outras no mesmo ponto comercial. Assim, dois ou mais franqueados instalam juntos as suas unidades.  As franquias geralmente são similares e a integração oferece vantagens competitivas. Exemplo: postos de combustível que também vendem alimentos.

Franquia comercial

A produção é exclusiva do franqueador. o franqueado tem a responsabilidade de distribuir esses mesmos produtos nas áreas determinadas em contrato. Exemplo: redes de cosmético e vestuário.

Franquia de serviço

Muito parecida com a franquia comercial, se difere dela porque ao invés da padronização dos produtos o franqueador licencia o know-how da prestação de serviços e uso da marca. Exemplo: redes hoteleiras.

Franquia individual

É uma franquia que não divide espaço com outras franquias e o franqueado deve prestar exclusividade para apenas uma marca. O ponto comercial é escolhido especificamente para determinado tipo de franquia. Exemplo: redes de fast food.

Franquia industrial

Na franquia industrial o franqueador tem a patente de um produto, registro da marca e know-how da produção. Transfere, então, para o franqueado a tecnologia usada para a produção e comercialização. Oferece ainda assistência técnica para garantir a padronização dos produtos licenciados.

Franquia “shop in shop”

Nesse modelo o  empresário pode usar seu negócio e  incorporar uma franquia, aproveitando assim seu ponto comercial. Exemplo: uma papelaria com uma franquia dos Correios.

Microfranquia

Caracterizadas pelo baixo investimento inicial, de até R$ 90 mil, têm também baixo custo operacional e uma operação simplificada. Suas atividades podem ser exercidas tanto em ponto comercial, como na própria residência do franqueado – muitas microfranquias possuem modelo home based.

Remuneração recebida pelo franqueador

Existem três modelos de franquias baseados na remuneração do franqueador: franquia de distribuição, mista e pura.

Franquia de distribuição

Neste tipo de franquia geralmente não há royalties e taxa inicial. O franqueador possui sua remuneração básica através dos produtos que forem vendidos.

Franquia mista

É o modelo de franquia mais utilizado atualmente. Nele, o franqueador cobra do franqueado as taxas de fornecimento de produto, royalties e taxas de franquia.

Franquia pura

Na franquia pura, o franqueador obtém sua renda a partir dos royalties e das taxas de franquias pagas pelos franqueados. Normalmente, o franqueador não entra como fornecedor.

Como vimos neste artigo existem diversos modelos de franquias existentes no mercado. Antes de estabelecer uma operação, no entanto, é importante se informar sobre a estruturação da operação e contrato da franquia.

Para continuar aprendendo sobre o tema e evitar qualquer perda de dinheiro investido, acesse os conteúdos do blog da Central do Franqueado. Nele, você encontra todas as informações que precisa para empreender em uma franquia de sucesso. Confira o nosso conteúdo sobre Procedimento Operacional Padrão.

Sistema para Franquias - Peça agora uma Demonstração!