Monitorando a sua rede com indicadores de desempenho

Conheça os principais indicadores de desempenho existente no mundo dos negócios e quais podem auxiliar na gestão do seu franchising.

Neste conteúdo você vai encontrar os seguintes tópicos:

Controle de desempenho

No mundo dos negócio, nem sempre a dedicação por parte dos gestores reflete na obtenção dos melhores resultados por parte da empresa. Para que uma rede de franquias obtenha o sucesso esperado, ela precisa de um bom planejamento estratégico. No entanto, é natural que o ambiente de negócios mude conforme o passar do tempo.

Nesta ocasiões – muito mais comuns do que você possa imaginar -, a rede inevitavelmente deve adaptar seus planos à nova realidade. Somente desta forma poderá garantir a maximização dos resultados pretendidos.

Importante ressaltar que uma eventual necessidade de adaptação no planejamento estratégico não significa necessariamente que ele tenha sido mal elaborado. Muito pelo contrário: em menor ou maior intensidade, toda a programação de longo prazo terá que sofrer alguns ajustes.

Mas afinal de contas, quais ferramentas os gestores têm disponíveis para saber se a empresa está indo no caminho certo? É aí que os indicadores de desempenho para franquias entram em campo.

Indicadores de desempenho

Os indicadores de desempenho são instrumentos utilizados pelos gestores para mensurar o retrospecto um negócio. No franchising, elas podem ser utilizadas tanto pela marca como pelas unidades de operação, e servem para manter franqueadores, franqueados e colaboradores a par da situação de todas as lojas da rede.

As ferramentas são inúmeras o podem ser utilizadas para medir os mais diversos tipos de processo. Abaixo, nós listamos 7 indicadores de desempenho que irão lhe ajudar a controlar o retrospecto do seu franchising, seja você franqueador ou franqueado. Confira.

Retorno sobre o Investimento (ROI)

O ROI (Return on Investment, no original em inglês) nada mais é do que uma métrica utilizada para descobrir o retorno de um investimento, que pode ir desde a quantia gasta para inaugurar o negócio até os valores empregados para a realização dos mais variados tipos de ação – campanhas de marketing, programas de treinamento e capacitação, contratação de um software online de gestão.

No franchising, o que você precisa saber é que o ROI depende de algumas variáveis. A taxa de franquia, o capital de giro, os custos de instalação da loja e os royalties são alguns exemplos de custos que devem ser observados na hora de se calcular o retorno financeiro que o investidor irá obter a partir de sua unidade de franquia.

É importante lembrar, entretanto, que o valor do ROI depende também da qualificação do empreendedor na gestão do negócio e também do tempo investido no trabalho. O esforço e a eficiência do franqueado fazem toda a diferença nas taxas de retorno. Elas podem ser elevadas mais rapidamente com dedicação e empenho do gestor e seus funcionários.

Volume de Vendas

Como o próprio nome sugere,  diz respeito à quantidade de produtos e serviços que um negócio conseguiu vender em um determinado período de tempo. O indicador está diretamente relacionado com a participação da rede no mercado.

Uma das formas mais recorrentes encontradas pelas empresas para aumentar seu volume de vendas é mediante a redução de preços. No entanto, esta estratégia nem sempre é a mais eficaz.

Imagine um empreendimento que tenha uma margem de lucro de 20% em cima de cada venda. Isso significa que, a cada R$ 1.000 comercializado, ela irá faturar R$ 200.

Se em determinado momento, ela resolver oferecer descontos de 10% em seus produtos, sua margem lucro irá cair pela metade. Ou seja, ela terá que trabalhar o dobro para obter os mesmos resultados.

Portanto, apesar de o volume de vendas mostrar indicadores de desempenho financeiro, a maneira mais eficiente de melhorá-los pode ser por meio da realização de ações de marketing ou através do uso de outras estratégias que agreguem valor à marca e aos produtos oferecidos.

Taxa de Conversão

A Taxa de Conversão mede o aproveitamento da rede em relação às oportunidades de venda que surgem. Não entendeu? Calma que a gente explica melhor.

Um dos melhores exemplos que podem ser utilizados para ilustrar o que é a “Taxa de Conversão” são as lojas de vestuário. Você já parou pra pensar em quantas boutiques de roupas – físicas ou virtuais – você entra antes de efetuar uma compra?

Existem aquelas que conseguem obter um alto índice de vendas mesmo sendo relativamente pouco frequentadas. Ao mesmo tempo, há outras que recebem um grande fluxo de pessoas diariamente para obter números não muito superiores que as primeiras.

Agora que você já sabe o que é “Taxa de Conversão”, é preciso que você entenda que em alguns modelos de negócio os índices são naturalmente baixos – imagine que preocupante seria se um vendedor de planos funerários conseguisse converter 100% dos seus leads.

No entanto, independentemente do ramo em que atua, é possível melhorar e muito os números de acerto. Quer saber como? Então clique aqui.

Ticket Médio

O Ticket Médio é o indicador de desempenho que calcula o valor médio de cada venda realizada. Sabendo que alguns clientes efetuam mais de uma compra nas lojas da marca, a rede pode decidir por estabelecer um cálculo para saber quanto cada um gasta.

O indicador pode servir para avaliar a performance de cada canal de venda adotado e também para que seja possível estabelecer um perfil dos compradores mais importantes para a marca.

Custo de Aquisição por Cliente (CAC)

Quanto a sua empresa gasta em média na obtenção de cada lead? O CAC calcula o quanto de receita é necessário para adquirir um novo cliente para o negócio. E aqui não estamos falando dos consumidores em potencial, mas sim daqueles que efetivamente efetuam alguma compra na sua franquia.

O CAC é um índice que serve para avaliar a viabilidade de um negócio. Se o valor calculado for muito próximo ao Ticket Médio, significa que o potencial de lucratividade da empresa é muito baixo e, portanto, o negócio não vale a pena.

Funil de Vendas – AARRR

Este indicador de desempenho é formada pelas cinco fases que constituem uma venda pela internet:

    • Aquisição: como os usuários encontram a empresa?
    • Ativação: a primeira experiência do usuário é satisfatória?
    • Retenção: os usuários retornam?
    • Receita: como a empresa ganha dinheiro?
    • Referência: os usuários indicam a empresa?

O diferencial do Funil de Vendas AARRR é a oferta de uma visão do comportamento dos clientes. Com o seu uso, é possível observar em quais fases o consumidor se torna mais ou menos apto a comprometer-se com a compra.

O Funil de Vendas também mostra para onde a empresa deve direcionar seus esforços de marketing para converter uma base maior de clientes.

Net Promoter Score (NPS)

Em uma escala de 1 a 10, o quanto você recomendaria para um amigo a empresa que lhe vendeu o smartphone, tablet ou computador no qual você está lendo este conteúdo?

Se a sua resposta for 9 ou 10, você é considerado um “promotor” da marca. Os consumidores que atribuem a nota 7 ou 8 são chamados de “passivos” ou “neutros”. Se o score for igual ou inferior a 6, o cliente se torna um “detrator” da rede.

O indicador, portanto, mede o grau de satisfação dos clientes com a marca. Na hora de efetuar o cálculo do NPS, antes de tudo, os gestores devem desconsiderar os clientes neutros. Para obter um  índice positivo, a empresa deve ter pelo menos 75% dos clientes restantes classificados no grupo dos promotores.

E aí, gostou do conteúdo sobre indicadores de desempenho para franquias? Então confira o nosso blog e tenha acesso a diversas outras informações sobre o universo do franchising.

Sistema para Franquias - Peça agora uma Demonstração!