Quais erros você não pode cometer ao abrir uma franquia?

Confira os 3 erros que você não pode cometer ao abrir uma franquia.

O Brasil é um dos maiores mercados de franquia do mundo. Em 2018, o setor apresentou um crescimento de 7,1% em relação ao ano anterior. Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), foram mais de R$ 174,8 bilhões de faturamento no período.

Apesar do excelente momento vivido pelo franchising, investir em uma franquia não é garantia de sucesso. Gustavo Garcia, fundador da plataforma de compra e venda de empresas  meuBiZ, aponta os 3 erros que não devem ser cometidos por quem deseja ingressar neste modelo de negócio.

1) Desconhecer o modelo de franchising

Para Garcia, boa parte dos erros ao se investir em uma franquia vêm do desconhecimento sobre o franchising. No Brasil, o mercado de franquias passou a ser regulado após a promulgação da Lei nº 8.955/94 – conhecida por Lei de Franquias.

A legislação foi inspirada no modelo norte-americano. Entre outras regras, ela obriga o franqueador a fornecer todas as informações sobre o negócio aos investidores interessados.

Os dados devem estar contidos em um documento chamado de Circular de Oferta de Franquias (COF). Ele deve ser entregue aos possíveis franqueados pelo menos dez dias antes da assinatura do eventual contrato de adesão. Caso contrário, o acordo entre as partes não tem validade.

A lei também possibilita que qualquer empresa se torne franqueadora desde a sua inauguração. A norma facilitou a entrada de muitas redes no mercado. Esse dispositivo traz impactos bons e ruins. O ponto negativo fica por conta da possibilidade de criação de franquias sem nenhuma experiência ou diferencial.

2) Desconhecer o funcionamento da franquia escolhida

Gustavo explica que algumas pessoas depositam demasiada confiança em uma marca famosa e esquecem que o trabalho duro no dia a dia também é necessário. Uma rede bem estabelecida é um passo importante, mas não é sinônimo de sucesso.

Operar uma franquia dá tanto trabalho quanto operar um negócio com marca própria. No franchising, você pula algumas etapas, mas o cotidiano do empreendedor continua sendo bastante trabalhoso. Aliás, ele é muito mais árduo do que se você fosse um empregado, com uma responsabilidade muito maior. Afinal de contas, é o seu dinheiro que está em jogo.

Por isso, tenha sempre em vista que o dono precisará entender do negócio e, para isso, é fundamental operá-lo. Não estar à frente do negócio e colocar um gerente para administrá-lo é uma possibilidade, mas não é o melhor caminho. Sem conhecer perfeitamente a operação, ninguém consegue cobrar os seus funcionários.

A verdade é que, independentemente do formato, o sucesso de um negócio depende muito do empreendedor. Por isso, se ele não tiver motivação para aquele tipo de mercado, não adianta enxergá-lo como investimento.

Para alguns segmentos será fundamental, por exemplo, trabalhar nos finais de semana. Por isso, não olhe apenas para a marca ou para a expectativa de retorno de uma franquia. Conheça a sua operação.

3) Fazer projeções financeiras incorretas

Alguns interessados em abrir uma franquia acreditam simplesmente nas expectativas apresentadas pela marca e se dão muito mal. Esse é um erro que não deve ser cometido. Um potencial franqueado deve pesquisar os verdadeiros custos de abrir uma franquia e de operá-la durante algum tempo sem ter faturamento.

Faça um estudo específico para o seu negócio, recomenda Garcia. Os custos para iniciar uma empresa são diferentes em cada cidade. O faturamento também pode variar dependendo da localização do negócio.

A melhor forma de estimar gastos para uma franquia, para operação e expectativa de faturamento é conversando com empreendedores que já possuem a mesma franquia. Ao encontrar-se com eles, questione quanto eles gastaram para abrir, como foi a implementação, o suporte, como estão as vendas, quais os desafios enfrentados.

Pergunte sobre o capital de giro necessário, um dos pontos fracos das expectativas financeiras. Fazendo estimativas muito otimistas, os empresários se esquecem de que nos primeiros meses as vendas costumam ser baixas e é preciso pagar os funcionários, aluguel, despesas mensais e até mesmo royalties. E com os juros do mercado brasileiro, buscar um empréstimo não é a melhor opção.

Lembre-se que a única maneira de ser surpreendido positivamente é não ser otimista em suas projeções financeiras.

Gostou do conteúdo? Então acesse nossos outros posts do blog! A Central do Franqueado também dispõe de e-books exclusivos para que você tenha a oportunidade aprimorar cada vez mais a gestão dentro de sua franquia. Conheça também nossa plataforma.

Vale Ler:  15 dicas de franquias baratas