Franquear ou não franquear? Qual o caminho para minha empresa?

Este post é para o empreendedor que está em dúvida se o franchising é o mercado certo para o seu negócio. Entenda sobre a análise de franqueabilidade e saiba o que é preciso para que sua empresa esteja preparada para se tornar uma rede. Fatores estruturais, financeiros e o posicionamento de marca são definitivos para crescer

Tomar riscos faz parte da gestão de qualquer negócio. É difícil ter a garantia de sucesso ao dar um passo à frente pela tomada de decisões que visam o crescimento de uma empresa. Hoje, um dos caminhos de crescimento é o mercado do franchising – a formatação de empresas em redes de franquias; empresas que funcionam de forma segmentada, mas padronizada. O empreendedor que tem interesse em se tornar franqueador e que pensa em conferir o direito de uso de sua marca a franqueados, está tomando um risco, por mais seguro que seja o modelo de franchising. Afinal, a formatação de uma companhia em rede exige investimento financeiro, estratégias de mercado e, também, confiança na transmissão de know-how a novos empreendedores que representarão a empresa em outras localidades.

Franquear demanda preparação, e muita. O empreendedor que está em dúvida entre franquear ou não franquear, deve ter plena consciência das condições de sua empresa. Para isso, existe a chamada análise de franqueabilidade – um processo que consiste em conferir se a empresa está apta a ser uma rede e, também, se tem perfil para tal. Preparamos este post para que você saiba mais sobre a análise de franqueabilidade e para que você entenda se seu negócio está preparado a crescer no mercado do franchising. Vamos lá?

O que é análise de franqueabilidade e o que ela deve contemplar?

A análise de franqueabilidade é a certificação de que a empresa tem o que é preciso para se formatar como rede de franquias. Analisa seu potencial no mercado do franchising, considerando todos os aspectos relevantes para o processo de transição da empresa: suas condições financeiras, estruturais e os diferenciais que a companhia teria para se destacar no mercado. A análise leva em conta, principalmente, o potencial de replicação da marca em unidades de franquia, colocando em avaliação a capacidade de padronização dos processos e imagem da marca na instalação de novas lojas.

Feita como medida preventiva, a análise de franqueabilidade põe à mostra também os empecilhos que não possibilitariam o sucesso de uma empresa no mercado do franchising, até mesmo interrompendo projetos de franquia. Apresenta aspectos que devem ser melhorados, a fim de que a gestão do negócio seja sólida o suficiente para que a expansão ocorra. Mas, em um panorama geral, quais os principais fatores que a análise de franqueabilidade aborda?

     A) Estruturais: organização interna, fundos de investimento 

Um negócio de sucesso é aquele que possui uma estrutura administrativa sólida, cuja organização e comunicação interna são eficientes. Isso otimiza o trabalho de todos e organiza a gestão da empresa. Para que ela se torne uma rede de franquias, a estrutura da empresa deve ser posta à prova – os processos estão fluidos? A comunicação entre os setores funciona? Lembre-se que tudo isso deverá ser evoluído em uma rede, pois o negócio se expandirá em mais localidades.

Obviamente, não basta apenas que a empresa tenha os alicerces estruturais para se tornar franquia. Os alicerces financeiros são o que determinam se o negócio está realmente pronto para crescer. É fundamental que o empreendedor disponha de um fundo de investimento considerável para que a empresa dê o próximo passo. O modelo de microfranquias, por exemplo, exige um investimento, em média, de R$30 mil para se formatar. Além disso, as finanças devem considerar as despesas de operação das futuras primeiras unidades, levando em conta seu potencial de lucro, mas reservando o capital de giro necessário para a manutenção das lojas.

     B) Posicionamento no mercado: quem é a marca para os consumidores?

Esta é uma parte mais subjetiva da análise de franqueabilidade, a qual depende da opinião pública. A pesquisa a respeito da imagem da marca perante ao público é essencial para a revisão de seu posicionamento no mercado, ainda mais em um processo de transição para o franchising, cujo mercado é ainda mais competitivo, onde bons posicionamentos se destacam. Qual a ideia que os consumidores possuem da empresa? Quais as principais vantagens na compra dos produtos ou serviços oferecidos pela empresa? Existe custo-benefício na compra? O valor da marca e seu posicionamento proporcionam vantagens e custo-benefício aos consumidores? Tudo isso pode ser revisto na qualidade dos produtos, no atendimento aos clientes e na comunicação externa da marca. Sua representação deve estar fortalecida o suficiente para que entre com firmeza no mercado de franquias.

     C) Diferenciais: produtos e experiência do cliente

O posicionamento da marca no mercado de franquias pode ser enriquecido com a percepção dos diferenciais do negócio em relação aos concorrentes. Encontrar diferenciais é aliar a opinião dos consumidores com a pesquisa sobre a concorrência. Quais produtos a empresa oferece que as outras não possuem? Que tipo de experiência pode ser proporcionada ao cliente juntamente ao consumo dos produtos ou serviços? Ter a noção de que o negócio tem o potencial de entregar algo que falta no mercado é ter mais segurança no processo de transição à rede de franquias.

É importante reiterar que inovar não necessariamente é a palavra certa. Criar produtos totalmente novos, que caiam no gosto do público, é algo que se torna cada vez mais difícil. O segredo está em apostar em fornecedores de qualidade, em uma produção eficiente e em um atendimento atencioso ao público. Isso tudo origina diferenciais de compra e experiência.

     D) Know-how: possibilidade de replicação de conhecimento

Uma empresa só existe graças ao trabalho árduo de seus funcionários, em seus diversos setores. Uma rede de franquias, então, se estrutura através do trabalho à distância de funcionários que não possuem contato direto. Entretanto, a qualidade de trabalho e o conhecimento de processos deve ser o mesmo em todas as unidades da rede. Sendo assim, o know-how de operação deve ser possível de transmissão. A empresa, para se adequar ao formato de franquias, deve ser capaz de transmitir know-how padronizado, a fim de que seja replicado em todas as lojas. Por isso, muitas empresas acabam não embarcando no mercado do franchising. Empresas que funcionam com métodos muito artesanais, principalmente. Caberá ao empreendedor optar pelo foco de sua produção, levando em conta seu público-alvo e objetivos.

Minha empresa está preparada para se tornar uma rede?

Criar um projeto de franquias não é o ideal para qualquer negócio. Como comentamos acima, nem toda empresa tem o perfil para se tornar uma rede – e isso depende de seu estilo de produção, de seu potencial comercial e de seu público-alvo. Também, aspectos financeiros e judiciais não devem ser esquecidos. Além disso, o empreendedor deve estar disposto a se tornar um franqueador, desenvolvendo suas qualidades como gestor e sua flexibilidade como líder. A preparação deve envolver o profissional e sua empresa, para que todo o negócio seja atraente para futuros franqueados – futuros parceiros de negócio.  Separamos algumas dicas para que você, como empreendedor, tenha a certeza de que está preparado para franquear. Afinal, muitas vezes, a análise de franqueabilidade não basta. Um franqueador deve buscar segurança e confiança em si mesmo.

     Consultorias podem fazer a diferença

O auxílio de profissionais especializados no mercado do franchising é muito útil, principalmente no período inicial de transição. Consultorias especializadas em franchising e na avaliação de franqueabilidade são bastante requisitadas por empreendedores interessados no universo do franchising. A própria Associação Brasileira de Franchising (ABF), auxilia empresas com uma grande quantidade de informações, por toda sua representatividade no mercado brasileiro. Outra dica é o Franquias RS, projeto do SEBRAE/RS – com parceria da Central do Franqueado. Consiste em um qualificado processo de seleção de negócios que estão aptos a se tornarem franquias, através de consultoria.

     Não deixe nenhum aspecto jurídico passar

Jamais esqueça de revisar a legislação que diz respeito à atuação das redes de franquias. Para legalizar a empresa como companhia de franchising, é necessária uma compilação de documentos jurídicos, entre eles, a COF (Circular de Oferta de Franquia) e o Contrato de Franquia – o qual consiste no documento de assinatura de compromisso dos franqueados. É importante buscar a ajuda de um advogado ou outro profissional especializado em franquias para a organização de tais documentos, pois neles são definidas as mais diversas questões, envolvendo direitos e deveres e taxas que serão cobradas aos franqueados.

Além disso, de maneira alguma deixe de registrar a marca. O INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) é o órgão responsável pela verificação da empresa como sua. Dessa forma, são evitadas possíveis réplicas em relação ao nome do seu negócio, por exemplo – o que evita os mais variados problemas de identificação, tanto online, quanto off-line. Importante: a validação do registro é de dez anos e o empreendedor pode renová-lo quantas vezes quiser.

     Tenha a certeza de que sua empresa está pronta para receber franqueados

Por último, mas não menos importante: como saber que minha empresa está pronta para ser representada por futuros franqueados? O que afirmará a questão está relacionado não apenas à capacidade de transmissão de know-how através do treinamento e do suporte aos operadores, mas também, do potencial de retorno que a empresa terá a eles. Isso afetará diretamente na atratividade do negócio para novos investidores. Afinal, é o capital dos franqueados que possibilita a expansão da empresa, pois é com seu investimento que as novas unidades são instaladas, bem como as taxas de franquia são pagas e o direito de uso da marca é concedido.

Algo que deve ser feito com muito cuidado é a seleção de candidatos a franqueados. O processo deve analisar minuciosamente os perfis dos profissionais entrevistados, abordando desde a experiência dos empreendedores, quanto sua disponibilidade e interesse pelo mercado no qual a marca está inserida. O auxílio das consultorias pode ser útil até mesmo durante a seleção e na produção de ferramentas para a transmissão do know-how aos candidatos. A elaboração de um Manual da Franquia, além dos programas de treinamento, é essencial.

A empresa deve estar apta a capacitar os operadores, mas além disso, a prestar suporte quando precisarem. Afinal, ninguém nasce sabendo. A rotina dos franqueados estará cheia de percalços. Problemas de gestão nas unidades de franquia são bastante comuns e em muitos dos casos, o franqueador deverá intervir. Acompanhar os franqueados, através de um suporte de qualidade, é a forma necessária para garantir o controle de qualidade da empresa durante sua expansão como franquia. Por isso, é imprescindível que a companhia tenha uma equipe de suporte à disposição. Sem falar que o suporte é obrigatório e faz parte do Contrato de Franquia. Não oferecer auxílio aos franqueados é quebrar o contrato. Você sabia que os maiores problemas judiciais envolvendo franquias surgem devido à falta de suporte? Isso é prejudicial tanto para o franqueado, quanto para a empresa, que acaba no prejuízo.

Que tal começar esta caminhada com a CENTRAL DO FRANQUEADO?

Decidiu? Está pronto para ingressar no mercado de franquias? Se sim, estamos muito felizes por você. O franchising é um mercado com uma grande oportunidade de crescimento. Nós, da Central do Franqueado, gostaríamos de auxiliar você nesse processo, com tecnologia e praticidade. Como? Através de uma plataforma totalmente online de gestão de franquias. A Central pode ser acessada a qualquer hora e local, criando conexões entre as unidades de franquia e facilitando todos os processos das lojas da sua empresa – desde à verificação da entrega dos fornecedores, à comunicação entre franqueados e franqueador, até mesmo à realização de avaliações de controle de qualidade das unidades. Quer saber mais? Então entre em contato! Fique por dentro do nosso blog para mais conteúdos ricos sobre o franchising.