Bons negócios são aqueles que possuem sua própria identidade. Saiba mais sobre o Branding, intrínseco ao mundo das franquias

Grandes e estabelecidas marcas são aquelas que possuem um lugar fixo no imaginário dos consumidores. A Coca-Cola, o McDonalds, a Apple – todas essas são exemplos de referência no que fazem e símbolos do marketing, surgindo em primeiro lugar na mente das pessoas. Seu sucesso foi conquistado dessa forma: através de uma identidade de marca bem construída, através de uma focada visão de mercado e de políticas fortes de atendimento e comunicação. Tudo isso faz parte do chamado Branding.

Pensar em Branding é buscar diferenciar uma marca de suas concorrentes. Esse fator constitui em todo o trabalho de gestão da marca como instituição, envolvendo desde questões de marketing, a como os funcionários encaram o serviço do cotidiano. É o Branding que faz do McDonalds ser o conhecido McDonalds, por exemplo. É analisar e determinar como a marca pensa e age. Tudo isso têm impacto direto em como o consumidor a vê de fora, então, o Branding vai muito além de uma identidade visual, de slogans e logotipos. Ele abrange tudo aquilo que potencialmente faz a sua marca ser lembrada.

Redes de franquias não existem sem o conceito de Branding

O franchising se forma a partir de empresas que cedem o direito de uso a franqueados, que serão responsáveis pela gestão de unidades replicadas da marca em locais de atuação escolhidos. Os serviços, os produtos e a qualidade entregue dos mesmos, devem ser mantidos em absolutamente todas as lojas, através de um controle de qualidade e de uma padronização de processos. Pois então: isso só existe graças ao Branding. É inviável franquear um negócio sem que haja uma marca forte e bem afirmada a ser replicada, pois ela precisa agir da mesma forma em todos os locais de atuação. Além disso, uma marca fraca não sobrevive em meio à concorrência.

Redes de franquias bem-sucedidas são aquelas que garantem seu próprio espaço na mente do consumidor, como comentamos no início do texto, diferenciando-se das outras. Mas, como o Branding garante esse espaço e essa diferenciação? Através de uma identidade, claro. Mas como tal identidade é estabelecida? Através de conexões entre as características da marca e os perfis dos consumidores.

 

Construindo uma marca de franquia em torno do consumidor

Estratégias de Branding são formadas a partir de uma visão focada no consumidor. Para que as pessoas se identifiquem com uma marca, elas devem encontrar nela semelhanças com seus próprios ideais e desejos. Sendo assim, o discurso de uma empresa deve gerar conexões espontâneas, levando em consideração, principalmente, atrativos emocionais. E isso vai muito além de vender produtos ou serviços. Isso abrange vender ideias, pensamentos, visões de mundo.

A franquia que se posiciona com um discurso de sustentabilidade, por exemplo, conquista consumidores que priorizam isso em uma compra. A inovação também é um caminho certeiro, utilizado pela Apple em todos os seus anos de existência. Não é à toa que a marca tem sua legião de fãs, que aguardam pacientemente por cada lançamento. Ou seja: construir uma marca através do Branding é pensar em experiência, não em venda. Não é apenas explanar as vantagens dos produtos oferecidos, mas sim, os diferenciais da visão da própria marca. É a visão da marca que deve ser apresentada nas ações de marketing, pois é através dela, que o consumidor que possui uma visão semelhante, enxergará pelo mesmo olhar. E uma marca só se fortalece com essa unidade entre negócio e cliente.

Objetivos internos envolvendo Branding: como os funcionários entendem a marca?

Entender a marca, sua visão e seus objetivos é algo indispensável para quem trabalha em uma rede de franquias. Não existe sinergia na padronização de processos sem isso. O papel do Branding também é esclarecer tais questões dentro da própria empresa, para que todos vistam a camisa e acreditem no trabalho. É impossível fazer consumidores acreditarem nos ideais da empresa se a própria não transmite isso de forma genuína.

Sendo assim, é importante fazer uma análise observacional periódica com franqueados e funcionários. Tal análise deve ser feita a partir de sua rotina de trabalho, levando em consideração o conhecimento de processos e objetivos da empresa por parte dos operadores, bem como seu comprometimento e sua capacidade de adaptação às demandas do mercado.

A equipe da franqueadora deve estar atenta às estratégias da empresa e deve, mais do que ninguém, entender a identidade da marca – o Branding propriamente dito. Valores e políticas devem ser disseminados por profissionais competentes e inteirados.

É de se pensar que um processo de Branding leva tempo para funcionar cem por cento. Isso é claro, visto que ao longo do caminho muitas estratégias de marketing não darão certo. Mas, uma coisa é certa: por mais que as campanhas de marketing sejam alteradas com o tempo, manter o foco é essencial – e o foco consiste naqueles valores que citamos, na visão do negócio e na experiência que o mesmo quer transmitir aos consumidores. Por mais que o mercado seja competitivo e os consumidores sejam imediatistas, na maioria das vezes uma marca leva tempo para ser conhecida. Entretanto, ela deve estar certa do que está oferecendo e bater nessa tecla. Os resultados de um trabalho de Branding chegam a longo prazo.

Fique ligado na nossa série Marcas e gestão no franchising para entender um pouco mais sobre como é gerenciar uma imagem e uma empresa de rede de franquias no mercado nos dias de hoje! Confira nosso blog e nossos e-books para mais conteúdos bacanas a respeito do mundo do franchising.