Seis problemas que podem levar a sua franquia ao fracasso

Erros de administração de finanças e falhas de comunicação são obstáculos a serem evitados

Gerenciar uma franquia é estar ciente de que uma rede é feita de muitas partes, as quais devem estar alinhadas e bem organizadas. Os investimentos devem ser distribuídos de forma correta; a comunicação deve ser eficiente; os consumidores devem receber um padrão de qualidade. Todos esses aspectos devem receber a devida atenção, para que nada seja esquecido e decisões erradas não sejam tomadas. Para você, empreendedor que recém embarcou no universo das franquias, separamos alguns problemas que você deve, a todo custo, evitar. Afinal, atingir o sucesso é ter mais acertos do que erros – e ir à falência em meio ao período de instabilidade econômica que nos encontramos, não deve ser algo agradável.

1. Esquecer que custo benefício não necessariamente é custo baixo

Da mesma forma que qualidade é melhor que quantidade. Como empreendedor, planeje-se. Ao gerir uma franquia, principalmente em seus períodos iniciais de mercado, é importante ter visão de futuro envolvendo investimentos. Se você não tem muito dinheiro, de nada adianta optar pela ampla compra de produtos mais baratos, mas de baixa qualidade e pouca longevidade. O caminho é iniciar como uma microfranquia: menos unidades em espaços menores. O custo-benefício está em saber administrar as finanças e entender que os lucros, de início, não serão muito grandes, mas que o que vale é o planejamento.

2. Ter conhecimento raso a respeito do público-alvo

Para começar com um novo negócio, uma das primeiras (senão a primeira) coisa a se pensar é: que público quero atingir? E eu conheço as necessidades e as características desse público? Como franquia, uma empresa deve produzir e vender o melhor produto possível para os consumidores que quer atingir. Para isso, é necessário conhecer profundamente o público-alvo, através de pesquisas observacionais, análises, perfis de compra, enfim. Vá às ruas e pergunte: faça entrevistas, conheça pessoas, descubra-as. Saiba se elas estão insatisfeitas com potenciais concorrentes e descubra seus pontos fracos. Assim, você irá atrair compradores carentes.

3. Não levar as taxas e os impostos a sério

Você sabia que existem leis a respeito da instalação de franquias, certo? E que tais leis exigem o pagamento de impostos e taxas, certo? Pois então, a fim de evitar dívidas, não esqueça de forma alguma de inserir esses valores na planilha de gastos da sua franquia. Isso vale para franqueadores, responsáveis pela rede e para franqueados, que devem separar as porcentagens do lucro da unidade para a empresa, por exemplo. Busque contratar um bom contador para que nada seja esquecido. Pagar as contas em dia é fundamental para evitar juros e gastos desnecessários.

4. Contratar franqueados e funcionários fora do perfil da empresa

Este problema cabe especialmente a franqueadores iniciantes, que estão buscando por franqueados e representantes que acreditem no potencial da empresa. Essas pessoas estarão trabalhando juntas, se tudo der certo, por muitos anos: então o perfil de trabalho deve estar de acordo com as políticas da empresa, envolvendo elas a ética, o modelo de trabalho, entre outros aspectos. Contratar pessoas que não se encaixem ao menos 90% com o que a marca propõe é construir relacionamentos em uma base instável, pois fazer parte de uma franquia é se entregar totalmente. Você, franqueador, não quer desistentes. Para isso, capriche no processo seletivo. Entrevistas bem feitas são fundamentais para que as escolhas sejam certeiras.

5. Ignorar o feedback dos clientes

Com a Internet e as redes sociais, hoje em dia os clientes têm mais representatividade como consumidores e influência no comportamento de outros potenciais clientes. O exemplo mais básico são as páginas de Facebook, que proporcionam avaliações as quais os usuários podem determinar de uma (péssimo) a cinco (excelente) estrelas, como método de análise dos serviços oferecidos pela marca. Muitas vezes, receber uma estrela, ou um comentário negativo, não é algo necessariamente ruim: pelo contrário, é uma forma de perceber algum erro que pode ser melhorado. Contrate pessoas para administrar as suas redes sociais e responder os comentários dos clientes, sendo eles positivos ou negativos. Deletar ou ignorar não é a melhor saída, até porque um atendimento ruim continuará sendo lembrado. Histórias serão compartilhadas entre as pessoas. Você não quer ficar com uma imagem ruim, quer? Então seja, ao menos, uma marca simpática.

6. Falta de foco, direcionamento e determinação

Ninguém vai a lugar algum sem ter planos. Uma empresa que não tem metas, não estará direcionando seu trabalho a nenhum objetivo, e isso gera comodismo. Para não parar no tempo, o empreendedor precisa ter foco e compartilhá-lo com todo o corpo de trabalho. Faça análises periódicas da lucratividade da sua empresa para visualizar se você está no caminho certo. Senão, desenvolva um novo planejamento estratégico. E se o foco mudar, vá com calma. Busque por consultorias que possam ajudar a sua empresa a se alinhar para o objetivo. Mas nunca, nunca perca a determinação. No mundo dos negócios, apesar de todos os altos e baixos, se sobressai quem trabalha muito. E ninguém trabalha muito sem alguma motivação.

Esses são apenas algumas das questões que não podem fazer parte do cotidiano de sua franquia. Não esqueça que, para evitar tudo isso, o trabalho em equipe é essencial. Uma franquia é formada por muitas pessoas, cada uma com a sua importância. Fique de olho no nosso blog para mais dicas!