Por mais que seja um modelo aparentemente mais seguro e estável de investimento, o franchising demanda conhecimento de conceitos financeiro e sabedoria administrativa. O franqueado que busca o maior rendimento possível com o negócio deve estar preparado e entender alguns conceitos de finanças. Afinal, por mais que muitas redes de franquias ofereçam uma projeção dos ganhos da unidade e outras noções de administração, as unidades de franquias são muito diferentes entre si. A localização, os PDVs e os perfis dos consumidores variam muito – e é por isso que o franqueado, como empreendedor, deve ser capacitado para garantir o bom funcionamento da sua loja, alcançando o lucro. A preparação financeira envolvida nesse processo depende de alguns aspectos, os quais você ficará por dentro a seguir.

Fluxo de caixa: entenda a variável

O franqueado deve entender que os valores de investimento e de retorno das unidades de uma rede de franquias são bastante variáveis. Isso porque aspectos externos, como a cidade escolhida, o bairro e o ponto comercial (ruas movimentadas, shoppings, etc.) influenciam totalmente nos gastos e faturamentos da unidade, principalmente durante os primeiros meses de funcionamento. Saiba que, mesmo que as franqueadoras ofereçam uma projeção dos investimentos iniciais, você mesmo deverá fazer uma pesquisa em relação ao fluxo de caixa. Pesquise dentro da rede, na região de trabalho e no setor da marca, para fazer um balanceamento de entradas e saídas de capital. E lembre-se: inicialmente, os lucros não serão muito altos.

Capital de giro: por que preciso dele?

Capital de giro é aquele dinheiro extra que garante a segurança do negócio – no caso, é o capital que financia a continuidade das operações da empresa em momentos de falta de caixa, nos quais as saídas serão maiores do que as entradas. Ele é importante em alguns casos específicos, como quando clientes realizam compras a prazo, ou quando é necessário manter uma quantidade maior de estoque e, consequentemente, investir mais com fornecedores. Por isso, é essencial que o franqueado tenha um dinheirinho guardado. Não gaste tudo na montagem da loja. Não esqueça de que existe a possibilidade de que você venda pouco, especialmente nos primeiros meses (e você deverá continuar pagando aluguel, salários, energia e mais).

Prazo de retorno: tenha consciência

A primeira noção que um franqueado deve ter em relação ao prazo de retorno é a consciência de que ele dependerá de alguns meses. No início, você basicamente não terá lucros: os valores de retorno serão para cobrir o dinheiro investido na unidade. Calcule em quanto tempo você receberá o valor, dividindo o investimento total pelo lucro líquido mensal. E sempre leve em consideração todas as hipóteses, pois em caso de baixo retorno, você estará preparado.

Prazo de recebimento: planeja investimentos

É claro que na abertura da sua loja você terá o estoque completo disponível. Porém, não esqueça de criar um bom planejamento de pagamento dos fornecedores. Isso porque, no início do funcionamento, o fluxo de vendas será menor – e ainda assim, alguns consumidores terão o hábito de pagar produtos de forma parcelada. Perguntar e analisar quanto tempo há entre a venda do produto e a entrada do cliente no caixa é essencial para estabelecer um planejamento bem-sucedido e evitar problemas de disponibilidade.

Royalties: a marca não é sua

Sendo franqueado, você está fazendo uso da marca de alguém para vender, certo? Os royalties são as taxas pagas ao franqueador, não apenas em relação ao direito de uso contínuo da marca, mas também aos serviços pós-inauguração, incluindo consultorias de campo. A maioria das redes cobra uma porcentagem sobre o faturamento das unidades, ou até mesmo um valor fixo por mês. Cuidado: independentemente se você fizer vendas parceladas, os royalties devem ser pagos de uma vez só. Separe capital mensalmente para pagar essas taxas.

Financiamentos: e se faltar dinheiro?

Optar por financiamentos nunca é agradável, mas em alguns casos, pode ser a saída para anular prejuízos e trilhar um novo e bem-sucedido caminho. Na verdade, as franquias oferecem um diferencial a respeito disso, pois as chances de obter crédito são maiores do que em negócios independentes. Existem algumas opções de financiamento para franqueados, como o BB Franquia e o BNDES Automático, que englobam juros mais suaves. Mas, tenha muito cuidado. Algum dia você deverá retornar o dinheiro, e o seu comprometimento é ainda maior, afinal, você está envolvido em uma rede.

Questões pessoais: férias e aposentadoria

Procure planejar bem suas férias. Por mais que o franqueado tenha direito a 30 dias de folga a cada 12 meses de trabalho, que tal optar por um período menor de início? Isso para garantir que as finanças não saiam muito de rota em épocas importantes do ano. Além disso, existe a possibilidade de férias em baixas temporadas – o que significa menos gastos para você e mais estabilidade para sua unidade. A respeito da sua aposentadoria, não esqueça de pagar o INSS, contemplando esse investimento mensal no orçamento do negócio – visto que o franqueado não é mais um colaborador CLT com recolhimento de INSS pela empresa. Cabe ao franqueado ter controle sobre seu futuro.